Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

Mais info: http://patosecisnesdefogo.blogspot.com/2009/08/musica-contra-exclusao-o-sistema-de.html



publicado por amigosdavenida às 14:08 | link do post | comentar | favorito

Mais uma interessante experiência de reabilitação urbana com o mote da actividade artística, dinamizada por uma associação cultural de Guimarães.
JCM

Laboratório das Artes toma conta de imóvel devoluto no coração de Guimarães (Público LOCAL)
http://jornal.publico.clix.pt/noticia/31-08-2009/laboratorio-das-artes-toma-conta-de-imovel-devoluto-no-coracao-de-guimaraes-17688916.htm

Colectivo de artistas plásticos muda-se para o Toural, e instala-se no edifício do café Milenário.Projecto à espera de financiamento da DGA

Três pisos de um prédio parcialmente desocupado no coração de Guimarães vão albergar um projecto de intervenção artística, que durante um ano quer levar a Guimarães mais de quarenta artistas. A iniciativa é da associação Laboratório das Artes, um colectivo de artistas plásticos que, nos últimos oito anos, tem promovido iniciativas do género em vários espaços da cidade.
O edifício que será parcialmente recuperado por esta iniciativa é propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Guimarães, que concordou cedê-lo por tempo indeterminado. Localizado no Largo do Toural, no centro da cidade, o prédio contorna todo o ângulo sudeste da praça, onde se mantém em funcionamento, no rés-do-chão, o Milenário, um dos mais antigos cafés da cidade. Os artistas plásticos querem abrir à população os três pisos superiores desse edifício, vazios há vários anos.
"Queremos voltar a colocar este espaço no mapa", antecipa Jorge Magalhães, que dirige o Laboratório. O projecto assenta na "habitual informalidade" das propostas do colectivo e na necessidade de "revitalizar um edifício emblemático", acrescenta o artista plástico. Para já, existe um projecto de intervenção artística que deve arrancar em finais de Outubro e estender-se até Dezembro, com uma candidatura a apoios da Direcção-Geral das Artes em curso. Nesse primeiro período de funcionamento vão estar em Guimarães obras de nove artistas nacionais, a maioria delas pensadas propositadamente para aquele local.


publicado por amigosdavenida às 12:23 | link do post | comentar | favorito

Podcast dos Amigosd'Avenida na Antena3 (Nuno e Nando).

 

2009-07-25 (1.ª hora) http://ww1.rtp.pt/multimedia/index.php?prog=2928
 
mms://195.245.168.21/rtpfiles/audio/wavrss/at3/462281_50769-0908211805.wma
 
http://mp3.rtp.pt/mp3/envia_file.php?file=wavrss//at3/462281_50769-0908211817.mp3&name=Nuno%20&%20Nando

 

 



publicado por amigosdavenida às 11:31 | link do post | comentar | favorito

 

Para culminar o conjunto de actividades de animação do espaço público que se tem vindo a desenvolver no âmbito do projecto experimental 'Se esta praça tivesse 250 anos', os Amigosd’Avenida vêm por este meio lançar um último desafio. Pretendemos convidar todos os cidadãos e agentes da cidade e região para participarem na organização e animação de um evento que se designou ‘250 Anos de Estórias na Ria' e que não pretende ser mais do que uma festa de amigos e vizinhos para celebrar a nossa cidade e que se irá realizar no Rossio e Praça Melo Freitas em 19 Setembro (verprograma/convite).



publicado por amigosdavenida às 10:36 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 29 de Agosto de 2009
http://www.designboom.com/weblog/cat/18/view/7213/international-design-competition-for-cycling-bridge-in-lisbon.html
international design competition for cycling bridge in lisbon


publicado por amigosdavenida às 03:24 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 8 de Agosto de 2009

 


 

Para culminar o conjunto de actividades de animação do espaço público que se tem vindo a desenvolver no âmbito do projecto experimental 'Se esta praça tivesse 250 anos', os Amigosd’Avenida vêm por este meio lançar um último desafio. Pretendemos convidar todos os cidadãos e agentes da cidade e região para participarem na organização e animação de um evento que se designou250 Anos de Estórias na Ria' e que não pretende ser mais do que uma festa de amigos e vizinhos para celebrar a nossa cidade e que se irá realizar no Rossio e Praça Melo Freitas em 19 Setembro (ver programa/convite).

Atendendo a que pretendemos comemorar 250 anos de estórias lançamos outro desafio – escolham uma época deste período para inspirar as vossas actividades e/ou indumentárias.

Temos já um conjunto significativo de cidadãos e agentes que se disponibilizaram para participar na festa:

  • Urbanização, feira de artesanato e design urbano (Praça Melo Freitas);
  • CETA – Comitiva da Rainha D. Maria II;
  • Oficina da Música – lote com exposição de instrumentos antigos, construção ao vivo de instrumentos;
  • Senso Comum - imagem gráfica do cartaz e folheto;

§     Grupo de Xailes de Aveiro – exposição e várias intervenções de cantares;

  • Grupo Folclórico de Esgueira – exposição/outras actividades, actuações durante o dia;
  • Grupo Folclórico Rio Novo do Príncipe
  • Grupo Coral Jovem da Arcel (Espinhão) – Interpretação de temas já existentes;
  • Grupo Cénico das Barrocas
  • Tuna Santa Joana – interpretação de peças musicais já existentes;
  • Escola Equestre de Aveiro/quinta Pedagógica – cavalos e actividades para crianças (1 lote);
  • Hélder Ventura / Associação CENÀRIO – participação com embarcações no passeio Ovar - Aveiro
  • Joaquim Pavão – criação de peça musical para coros

 

  • Câmara Municipal de Aveiro – assegura as infra-estruturas de apoio e logística
  • Junta de Freguesia da Vera Cruz – assegura embarcações e logística
  • Câmara Municipal de Ovar – divulgação do evento e logística do passeio Ovar-Aveiro

 

Se quiser associar-se ao programa de animação do evento envie-nos um email para amigosdavenida@gmail.com.

 

Para mais informações: http://festadosamigosevizinhos.blogs.sapo.pt/ 

 

A equipa de coordenação

Cristina Perestrelo

César Costa

António Morais

Hélder Ventura



publicado por amigosdavenida às 10:26 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009

O Facebook é hoje um espaço privilegiado de debate e reflexão, pela capacidade instantânea de colocar vários parceiros a reflectir sobre um determinado tema. 

A partir da preocupação com a política de reutilização de edifícios públicos devolutos que se desenvolve em Aveiro um conjunto de utilizadores do Facebook e cidadãos de Aveiro tiveram esta conversa que se prolongou por treze horas (não continuas).

Vale a pena ler! 

 

Mote:

Lar de quatro estrelas no antigo quartel - JN

Que 'Bella Vida' para o Quartel! Em vez de 'residência assistida' não poderia ser 'residência artística'?

JCM

 

Carlos Fragateiro (CF)

JCM mas há assim tantos artistas para por tudo e por nada pedirmos para se criarem residências para artistas? Há uns anos todos os mercados ou grandes edifícios devolutos deveriam ser transformados em espaços culturais e veja se se tivesse optado por isso o que aconteceria em Aveiro onde os espaços culturais que existem têm uma programação tão pobre. E aqui falo desde a Fábrica da Ciência ao Aveirense, passando por toda uma série de pequenos projectos. A questão é como rentabilizar ou potenciar o que há e ter um novo conceito, um conceito de futuro, para o quadro de intervenção cultural, seja arte ou ciência, nos espaços comunitários, nas cidades, nas regiões e no país.

 

Jose Carlos Mota (JCM)

Meu caro, o exemplo surge com o objectivo de perceber a 'política de valorização de equipamentos públicos devolutos'. Pode haver uma boa razão que explique a opção da venda e da 'residência assistida' mas não haverá outros temas (arte, design, tecnologia,...) onde Aveiro tem recursos que justificam espaços de apoio ('residência', 'incubação', 'formação', 'criação'...)? Mas claro que concordo que tem de haver uma visão holística do que temos e do que deveríamos ter (uma estratégia)...

 

Joao Oliveira (JO)

JCM, apresente uma entidade privada/publica que queira investir nesse "conceito" e tenho a certeza que bastará uma reunião na CMA para conseguir comprar, em leilão, algum dos espaços que entende importantes. Quiçá na avenida!

 

JO

concordo com o Carlos Fragateiro. É que,JCM, neste momento o que faltam são recursos e projectos, não espaços. Há centros culturais semi-vazios, há "n" possibilidades... mas os recursos são limitados e limitadores.

 

JCM

JO, num post acima deste o Joaquim Pavão referiu a necessidade sentida por muitos pequenos agentes culturais e criativos de um espaço onde possam desenvolver a sua actividade. A UA forma jovens com competências no domínio das artes, comunicação e tecnologia que também poderiam ser potenciais utilizadores desse espaço. O que falta não são recursos mas sim capacidades (organizativas e espaciais) para lhes dar suporte. Uma das ideias que tem sido discutida é a criação da uma plataforma de agentes culturais e criativos (http://plataformaculturaveiro.blogs.sapo.pt/).

 

JO

Ok, mas querem desenvolver a sua actividade pagando ou não? A iniciativa privada tem espaços a 100/150 euros por mês! Até há entidades que tem os espaços semi-vazios. Não podem é esperar... sentados - proporem-se à incubadora da UA, a projectos vários que existem, procurar é fundamental.
Mas se estiverem a pensar á borla... ai é mais dificil. Porque os desinvestimentos vários (municipais, centrais, etc) fazem com que as colectividades e outros agentes pensem em avançar com soluções extra e todos os tosttões são importantes...

 

JCM

A questão é muito mais complexa do que a renda! Estou a sugerir um modelo organizativo de apoio às actividades criativas e culturais da cidade, que em primeiro lugar junta os parceiros à mesa, identifica uma agenda de prioridades, define um plano de acção, candidata projectos ao QREN. Entretanto põe os agentes a trabalhar em conjunto, equaciona forma de apoiar os projectos de maior risco, encontra espaços físicos onde essa actividade pode dar os primeiros passos. E se aí tiver de dar uma ajuda na renda, porque não? Só que isto pressupõe uma forte liderança da CMA e um maior envolvimento na concretização do processo (e não estou a falar de dinheiro)! Concorda com a ideia?

 

Joaquim Pavão (JP)

Onde estão os espaços privados (com condições) a 100€ por mês?
Não entendi o teu discurso João. O que é pensar à borla? Se um espaço é concedido, há contrapartidas, se um subsidio é concedido há contrapartidas. Nada é de borla.

 

JO

Caro JP, Vamos por partes - eu estava-me a referir a meros espaços para projectos de alguma forma - desgarrados de todo um paradigma igual ao que o JCM defende ou propõe. E em relação as áreas da novas tecnologias, conheço até empresas que estão em espaços arrendados do sector privado com valores como os que referi. A maior parte das áreas das novas tecnologias exigem espaços pequenos, aposta é nos equipamentos e não em quatro paredes em madeira, bla, bla...
As parcerias podem ser feitas. Mesmo em áreas públicas. Se X jovens de uma determinada área propuserem um serviço a uma junta ou qualquer coisa em troca de espaço, é capaz de o ter.

 

JO

No meu comentário acima devia ter lido: "É que, JCM, neste momento o que faltam são recursos e projectos, não espaços. Há centros culturais semi-vazios, há "n" possibilidades... mas os recursos são limitados e limitadores".
O modelo que preconiza, uma mudança de paradigma é claramente um modelo em que a CMA apadrinha. Mas porque é que não é a iniciativa civil a fazer isso? Porque é que tudo o que disse necessita ser feito pela CMA ou com a CMA? Em teoria, até poderia concordar com a ideia, mas também ainda tenho principios mais liberais, em que as coisas são feitas pela sociedade civil, com menos intervenção do Estado, castrador, muitas vezes... São diferenças de raiz, se calhar. e que o espaço do Facebook não permite explicar.

 

JP

Há aqui alguma confusão. Não me refiro às empresas. Nem conheço a realidade do sector empresarial em Aveiro. 
É que o sector da cultura é outro, e este tem necessidades próprias. Haverá alguém que se interesse?
A sociedade civil só pode fazer o que lhe compete. Pedir, interrogar e elaborar propostas. Os organismos eleitos têm o mesmo papel (é preciso aceitar e fazer valer) acrescentando a execução. Pelo menos a este nível (dinamização de um programa cultural para o desenvolvimento da cidade). É claro, que se falarmos num edifício (exemplo) que possa albergar associações e artistas acharia interessante que partisse de uma proposta da parte de quem nos representa. Revelaria interesse e capacidade de gestão. Contribuiria para elaboração de um programa cultural para todo o ano, responsabilizando os agentes culturais a organizar e promover o seu trabalho junto da população em troca de condições dignas para o seu desenvolvimento.

 

JCM

JO, tratam-se, de facto, de duas visões ou entendimentos diferentes do papel da autarquia. E aí defendo que nos domínios estratégicos (artes, design e tecnologia) a CMA tem de ter um papel liderante e dinamizador, articulando-se com os parceiros dos diferentes sectores (como aliás está a fazer no Parque da Sustentabilidade). E sabe porque tb defendo esse papel pq a CM é a única que pode ter uma visão e actuação holística (actuando no território, dinamização económica, ensino, transportes,...). Se não for para isto, pq precisamos da CM?

 

JO

Caro JP, A autarquia já tem uma casa da cultura que é sede de múltiplas associações. Inumeras outras têm recebido sedes em comodato no primeiro andar do Mercado de Santiago. Há inúmeras associações que estão nessas condições. Poderiam ser mais? Juro que não sei...

 

JP

Com certeza que sim. Mais e com diferentes dinâmicas. Penso também que as instalações que fala não servem muitos profissionais. Daí que ninguém (profissionais) se interesse vivamente por estes. Mais uma vez volto a frisar a importância de não se dar um espaço. Gostaria de ver num plano uma casa das artes (central) que permitisse albergar gente, gentes a quem se cobraria uma planificação anual com propostas de apresentação na cidade a troco de condições para o fazer.

 

CF

Mas porque é que não se questiona a universidade sobre o enorme espaço da Fábrica da Ciência que é o espaço ideial em Aveiro para ter essa dinâmica, ligando-a à universidade, à criação e experimentação, podendo cruzar a criação artística, científica e tecnológica, tornando-a efectivamente uma Fábrica do Conhecimento. Há claramente que enfrentar os desafios e perceber estratégicamente onde é que há condições e potencial para que um projecto diferente possa avançar. E não vale a pena andar a olhar para o lado, quando mesmo à nossa frente, e no centro de Aveiro, temos o espaço ideal.

 

JP

Gostaria muito de ver a Fabrica a produzir coisas interessantes no domínio artístico. Não sei, é se será essa a sua função, por desconhecimento do seu principal papel na cidade enquanto instituição.

 

Anabela Salgueiro Narciso Ribeiro

Não podemos negar que há alguma 'arte' na forma como a Fábrica tem vindo a transmitir várias 'sensibilidades científicas'. Talvez o papel (e o ideia) de uma Fábrica mais Artística devesse caber ao TA. O facto de tal não acontecer actualmente é que é grave. Faria mais sentido neste caso a arte a puxar para o seu seio a ciência (através de projectos concretos e orientados) do que o inverso, uma vez que tal já acontece no caracter lúdico com que a Fábrica é de Ciência.

 

Paulo Renato Trincão

Isso depende do que se entende da relação entre a arte e a ciência. A alteração da orientação em direcção à escola mata esse caminho.



publicado por amigosdavenida às 23:16 | link do post | comentar | favorito

Notícia O JOGO (5AGO)

'O terreno do complexo das piscinas do Beira-Mar foi vendido a uma empresa imobiliária de Ílhavo, a Nível II, que o adquiriu ao clube aveirense por 2,5 milhões de euros. A transacção, sabe O JOGO, foi escriturada a 18 de Julho passado, precisamente no mesmo dia em que a Câmara de Aveiro, então detentora do terreno, o vendeu ao clube por 1,28 milhões de euros. Esta operação de compra e venda simultânea, que as partes ainda não assumiram publicamente, permitiu ao Beira-Mar encaixar mais de um milhão de euros. O valor alcançado na venda ficou aquém das expectativas devido à valia qualitativa do terreno que, ao contrário do previsto, não contempla construção para comércio (centro comercial) mas apenas para serviços'.


Noticia 2 Beira-Mar fecha as piscinas e vende o terreno (2AGO)

'Quanto ao projecto a implementar no local, já não será um equipamento comercial-lúdico-desportivo, subordinado a temática da água, que compreenderia a construção de duas piscinas. Segundo Mano Nunes, trata-se de um investidor “da zona” (de Aveiro) interessado na construção de equipamentos de serviços'. 


Notícia 3

Protocolo CMA/BM - 'Transferir para o SCBM, ate ao dia 31 de Dezembro de 2008, a propriedade total do predio onde se encontra implantado o Complexo Desportivo de Piscinas, sito na Rua das Pombas, em Aveiro,através da competente escritura publica de corrlpra a venda, pelo preço da avaliação patrimonial de 1.283.200, constante do inventário municipal com a capacidade construtiva máxima de doze mil metros quadrados de implantação com 3 pisos acima do solo e cave, para nele ser edificado equipamento comercial-ludico-desportivo,subordinado a temática da agua, que devera compreender obrigatoriamente a construção de duas piscinas'.



publicado por amigosdavenida às 17:00 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Fonte: jn.sapo.pt
Os seniores vão ocupar o espaço que pertenceu aos militares. Uma empresa privada comprou à Câmara de Aveiro o "quartel do parque" e vai erguer um lar de idosos de quatro estrelas. A mensalidade rondará 2000 euros
 

 

Que 'Bella Vida' para o Quartel!

Pode haver uma boa razão que explique a opção da venda e da 'residência assistida' mas não haverá outros temas (arte, design, tecnologia,...) onde Aveiro tem recursos que justificam espaços de apoio ('residência', 'incubação', 'formação', 'criação'...)?

JCM



publicado por amigosdavenida às 10:09 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009

Desde a sua eleição este tem sido o modo como Barack Obama tem procurado fazer passar as suas ideias. Explicando a importância das medidas, não negligenciando as dificuldades em que estão envolvidos, mas procurando acentuar a necessidade de mobilizar as 'comunidades' para participarem nas acções de reflexão sobre os caminhos a tomar ('take at least one action in your community this month to build support for health insurance reform')  e pressionando a assembleia (Washington DC) a tomar decisões.

É particularmente interessante a forma como o governo (BO) devolve aos cidadãos o poder de influenciar a tomada de decisões, um interessante esforço de reforço da cumplicidade e união de esforços, mas também um exercício de dessacralização do poder.

JCM

------------------------------------------------------------------------------

from info@barackobama.com

 

 

'This is the moment our movement was built for.
For one month, the fight for health insurance reform leaves the backrooms of Washington, D.C., and returns to communities across America. Throughout August, members of Congress are back home, where the hands they shake and the voices they hear will not belong to lobbyists, but to people like you.
Home is where we're strongest. We didn't win last year's election together at a committee hearing in D.C. We won it on the doorsteps and the phone lines, at the softball games and the town meetings, and in every part of this great country where people gather to talk about what matters most. And if you're willing to step up once again, that's exactly where we're going to win this historic campaign for the guaranteed, affordable health insurance that every American deserves.
There are those who profit from the status quo, or see this debate as a political game, and they will stop at nothing to block reform. They are filling the airwaves and the internet with outrageous falsehoods to scare people into opposing change. And some people, not surprisingly, are getting pretty nervous. So we've got to get out there, fight lies with truth, and set the record straight.
That's why Organizing for America is putting together thousands of events this month where you can reach out to neighbors, show your support, and make certain your members of Congress know that you're counting on them to act.
But these canvasses, town halls, and gatherings only make a difference if you turn up to knock on doors, share your views, and show your support. So here's what I need from you:
Can you commit to join at least one event in your community this month?
In politics, there's a rule that says when you ask people to get involved, always tell them it'll be easy. Well, let's be honest here: Passing comprehensive health insurance reform will not be easy. Every President since Harry Truman has talked about it, and the most powerful and experienced lobbyists in Washington stand in the way.
But every day we don't act, Americans watch their premiums rise three times faster than wages, small businesses and families are pushed towards bankruptcy, and 14,000 people lose their coverage entirely. The cost of inaction is simply too much for the people of this nation to bear.
So yes, fixing this crisis will not be easy. Our opponents will attack us every day for daring to try. It will require time, and hard work, and there will be days when we don't know if we have anything more to give. But there comes a moment when we all have to choose between doing what's easy, and doing what's right.
This is one of those times. And moments like this are what this movement was built for. So, are you ready?
Please commit now to taking at least one action in your community this month to build support for health insurance reform:
http://my.barackobama.com/CommitAugust
Let's seize this moment and win this historic victory for our economy, our health and our families.
Thank you',
President Barack Obama



publicado por amigosdavenida às 19:19 | link do post | comentar | favorito

image003.jpg


Buchholz Livreiros Aveiro
Pç. Marquês de Pombal, 3

3810-133 AVEIRO

telm: 927 423 433


publicado por amigosdavenida às 12:48 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 4 de Agosto de 2009

A primeira 'visita de trabalho' permitiu identificar três tipos de sugestões/intervenções:

- acções de curto prazo: por exemplo limpeza de todos cartazes das paredes dos edifícios devolutos ('a avenida não é um painel publicitário'); lavar o rosto da avenida -> proposta de pintura dos edifícios abandonados ou devolutos;

- acções de médio prazo: identificar alguns edifícios âncora (por exemplo: Banco de Portugal, ‘beco cultural’ da Escola Riff, a Casa Paris, a Garagem Atlantic) para onde se deveriam identificar programas funcionais (com base em pesquisa de projectos similares);

- longo prazo: trabalho com proprietários/autarquia, para potenciar desenvolvimento de algumas ideias que este projecto poderá vir a gerar.

Se quiser participar nas próximas etapas do desafio envie um email paraamigosdavenida@gmail.com



publicado por amigosdavenida às 23:21 | link do post | comentar | favorito

Outras surpresas - Os edifícios devolutos

 

>

>

>

 



publicado por amigosdavenida às 23:13 | link do post | comentar | favorito

patio riff.JPG

riff1.JPG


As surpresas - o Beco do edifício da Escola Música Riff


publicado por amigosdavenida às 23:11 | link do post | comentar | favorito

BP1.JPG

BP2.JPG


As surpresas - Edifício do Banco de Portugal


publicado por amigosdavenida às 23:10 | link do post | comentar | favorito

atlantic traseiras.JPG

atlantic1.JPG

atlantic interior.JPG


As surpresas - Garagem Atlantic


publicado por amigosdavenida às 23:09 | link do post | comentar | favorito

‘Vamos construir um 'projecto' para a Avenida’ é uma iniciativa promovida pelo movimento cívico Amigosd'Avenida, aberta à participação de todos os cidadãos interessados, e que tem como objectivo produzir um conjunto de propostas e sugestões para revitalizar a Avenida e recuperar nela o ‘sentido de lugar e de comunidade’ transformando-a, de novo, num espaço vivo e atractivo. O projecto irá ser consubstanciado num ‘mapeamento de ideias’ (problemas e potencialidades, oportunidades e riscos) e na identificação de um conjunto de medidas a propor executar no curto e no médio-longo prazo.

 

A primeira etapa do ‘projecto’, realizada no passado dia 27Julho, foi constituída por uma sessão de trabalho in loco apoiada em visitas ao espaço público, ao interior de alguns edifícios, no anotar e fotografar de aspectos relevantes, na conversa com utentes e proprietários.

Nessa primeira visita foi possível visitar e descobrir um conjunto de espaços de enorme potencial urbanístico, cultural, social e económico, cuja utilização poderia ser mais qualificada e valorizada (por exemplo: edifício do Banco de Portugal, o edifício e o ‘beco’ da Escola Riff, a Garagem Atlantic, a Casa Paris e outros edifícios notáveis que se encontram devolutos à espera de 'nova vida').

A visita permitiu também constatar como a Avenida se tem vindo a organizar por sectores (quarteirões) com diferentes funções e vivências (Bancos; Moda; Serviços; Residência). Do conjunto da Avenida a zona da Estação é aquela que se sente estar mais 'abandonada' e menos ocupada, sendo fundamental fazer uma inventariação rigorosa dos edifícios devolutos (sobretudo garagens e armazéns) que por ali existem (em particular nas ruas traseiras à Avenida).

A visita possibilitou ainda concluir do relevante número de edifícios devolutos que existem na Avenida, quase todos submersos por uma enorme quantidade de cartazes. Esta imagem agrava a percepção de degradação que se vai sentindo em algumas áreas da Avenida.



publicado por amigosdavenida às 22:43 | link do post | comentar | favorito

Esclarecimentos de João Oliveira sobre algumas dúvidas levantadas...

'As obras que foram feitas para receber o campeonato de natação foram conjunturais e não resolveram, apenas adiaram, o fim de vida útil de um conjunto significativo de dados na "casa das máquinas" que provoca desperdícios e custos enormes dado que a piscina tem, não se esqueçam, 25 anos sem grandes intervenções.
Em relação à rentabilização, a AAUAV tinha um protocolo muito vantajoso para os seus sócios que permitia a entrada em regime livre com descontos iguais aos dos sócios do BM (mais de 20 por cento). Quanto aos docentes, não tem que falar com o BM mas sim com a UA - eventualmente Serviços de Acção Social...'

...

Um último comentário

Apesar dos esclarecimentos do João julgo que a questão de fundo fica por responder. Não haverá outras formas de ajudar o Beira-Mar sem termos de perder um equipamento desportivo (piscina coberta e descoberta - a única da cidade), ainda mais quando estamos apostados em desenvolver uma grande zona de lazer no centro da cidade - o Parque da Sustentabilidade?

JCM 

 

 



publicado por amigosdavenida às 01:13 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Agosto de 2009

Em resposta ao post do Jorge Greno no Enguia Fresca

 

Não fui eu que comecei por lamentar a situação a que chegámos. E como achei relevante a questão levantei questões, que deram origem a muitas outras. O que demonstra a pertinência de se discutir o assunto.

Mais dúvidas:

O equipamento está obsoleto (são necessários 200.000€ de obras)?

Os equipamentos estão devidamente rentabilizados (existe um déficit anual de exploração de 60.000€ mas temos 13.000 potenciais utentes mesmo ali ao lado; contudo, por exemplo os docentes da UA pagam o preço de tabela)?

Não haverá outras formas de se ajudar o Beira-Mar sem prejudicar a cidade?

JCM



publicado por amigosdavenida às 14:06 | link do post | comentar | favorito

Protocolo CMA/BM - 'Transferir para o SCBM, ate ao dia 31 de Dezembro de 2008, a propriedade total do predio onde se encontra implantado o Complexo Desportivo de Piscinas, sito na Rua das Pombas, em Aveiro,através da competente escritura publica de corrlpra a venda, pelo preço da avaliação patrimonial de 1.283.200, constante do inventário municipal com a capacidade construtiva máxima de doze mil metros quadrados de implantação com 3 pisos acima do solo e cave, para nele ser edificado equipamento comercial-ludico-desportivo,subordinado a temática da agua, que devera compreender obrigatoriamente a construção de duas piscinas'.



publicado por amigosdavenida às 13:41 | link do post | comentar | favorito

Alguns esclarecimentos enviados por António Granjeia através do Facebook

1.

"E eu não entendo, porque a piscina o ano passado foi re-arranjada para fazer uns campeonatos e agora é para deitar abaixo? Desculpem lá, mas há coisas que eu não entendo, por muitos altos valores que se levantem não entendo isto e, portanto, não entendo que só tenham aquele sitio para entregar ao Beiramar como contrapartida. Não há mais nenhum terreno no centro da cidade para se dar ao Beira-mar, tem que ser aquele? Porquê aquele? Eu não percebo esta parte! Acho que o Beira-mar deve ser ressarcido de todos os defeitos, todos os problemas que a Câmara lhe arranjou — estarei ao lado da Direcção, mas tem que ser aquele sítio? Não pode haver outro? Pensaram nas alternativas? Parece-me que não!"

minhas declarações na AM 

2.

Ficou claro que nessa AM a CM se comprometeu a que a licença do tal complexo ludico desportivo incluisse duas piscinas de catacterísticas semelhante às actuais.
Será que assim vai ser ?

3. 

Na mesma assembleia o Dr Elio Maia disse "Em relação às piscinas não se pormenorizou, isto é uma questão que atravessou diversos senhores deputados, não se colocou ao lado, penso que foi uma omissão na altura, mas em cima da mesa esteve sempre e está sempre e estará sempre, que as duas piscinas a construir sejam iguais ou semelhantes às duas piscinas que lá estão"

4.

notícia do DA de sábado
"Quanto ao projecto a implementar no local, já não será um equipamento comercial-lúdico-desportivo, subordinado a temática da água, que compreenderia a construção de duas piscinas. Segundo Mano Nunes, trata-se de um investidor “da zona” (de Aveiro) interessado na construção de equipamentos de serviços. "



publicado por amigosdavenida às 12:45 | link do post | comentar | favorito

O João Oliveira recordava no Facebook que os factos 'já eram do conhecimento público há quase nove meses' e  que mais tarde ou mais cedo 'isso ia acontecer'. Aliás, o assunto 'foi discutido e aprovado em reuniao de camara e assembleia'.

Contudo, há momentos em que decisões (absolutamente) legítimas se podem tornar em lamentáveis equívocos! E julgo que este pode ser um dos casos.

Independentemente da situação (e do contexto em que a deliberação se deu) o que temos de pensar é se cidade se pode dar ao luxo de perder um equipamento desportivo na sua zona central, quando estes equipamentos são factores de atractividade da função residencial ('trazer as pessoas para o centro').

Por isso é importante questionar: 

Para onde vão as piscinas? Abdicamos delas? Ou vamos pagar em segurança e transportes a localização numa eventual 'periferia'?

Ou vamos procurar uma solução alternativa?

José Carlos Mota

 

 



publicado por amigosdavenida às 09:44 | link do post | comentar | favorito

Vale a pena ler com atenção o texto de Jorge Greno sobre as piscinas do Beira-Mar.

É de facto preocupante que a cidade de Aveiro corra o risco de perder um equipamento desportivo com as valências que este tem e com a localização privilegiada que dispõe.

Será que a comunidade aveirense não se pode organizar para encontrar uma solução para o problema? Será a venda do terreno a única solução (DA 1Ago)?

Vamos perder um equipamento desportivo no centro da cidade a troco de um equipamento de serviços? 

O que têm a dizer sobre isto os cidadãos? E os responsáveis?

JCM

 



publicado por amigosdavenida às 00:05 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 2 de Agosto de 2009

http://www.myspace.com/joseafonso

 



publicado por amigosdavenida às 01:00 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
VISITAS
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
FOLLOW
G. Analytics
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
MAPA
Facebook
Partilhar
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008