Sábado, 30 de Julho de 2011
image003.gif


Seminários
Auditório do Museu da Cidade | 2 e 4 de Agosto 2011



02 de Agosto 2011 | Comercialização, Qualificação, Inovação e Criatividade

Local: Auditório do Museu da Cidade de Aveiro

Hora: 14h | Entrada Livre

Temas e Oradores:

Moderadora: Dr.ª Maria da Luz Nolasco, Vereadora do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Aveiro;

Qualificação - Dr. Luís Rocha, Presidente do CEARTE - Centro de Formação Profissional do Artesanato;

Inovação e Criatividade - Alberto Azevedo, Artesão - Associação de Artesãos da Região Norte;

Comercialização do Artesanato - Dr. Gabriel Cunha



04 de Agosto 2011 | Feiras de Artesanato e Fiscalidade

Local: Auditório do Museu da Cidade de Aveiro

Hora: 14h | Entrada Livre

Temas e Oradores:

Moderadora: Dr.ª Maria da Luz Nolasco, Vereadora do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Aveiro

Feiras e Artesanato - Sr. Leandro Coutinho, Presidente da Federação Portuguesa de Artes e Ofícios;

Fiscalidade e Segurança Social e Segurança - Dr. Fernando Tomás, PPART - Programa para a Formação dos Ofícios e das Microempresas Artesanais.



Organização:


publicado por amigosdavenida às 11:50 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 28 de Julho de 2011

 

 

Rossio, tão mal tratado...

JCM

 

PS. Vale a pena ler isto - FARAV ainda no Rossio - Debaixo dos Arcos 


tags: ,

publicado por JCM às 09:33 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 27 de Julho de 2011

O escritor português valter hugo mãe, assim em minúsculas como ele gosta de escrever, apresentou recentemente na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) um belo texto sobre a sua relação com o Brasil (ver carta lida aqui).

 

Nesse texto, e a propósito das 'novelas', o autor descreve os brasileiros que nos anos oitenta vinham para Portugal (e que já conheciam o final das histórias) como uma espécie de 'adivinhos... gente que via coisas do futuro, gente que viveu o futuro' e que se juntava 'a nós para reviver o passado'. Por causa disso, tornavam-se especiais e a sua opinião 'para cada decisão' era escutada com atenção.

 

Esta história é muito interessante porque é uma boa metáfora do que precisamos fazer quando se trata de pensar o futuro e que passa por pedir aqueles que já viveram 'futuros diferentes' (e que conhecem alguns dos seus 'segredos') que partilhem connosco essas histórias.

O Brasil tornou-se ao longo dos tempos, e para muitos assuntos, uma espécie de 'bola de cristal' e de 'balão de ensaio' de 'futuros desejados' (como referia recentemente a reputada investigadora britânica Doreen Massey). No domínio das artes e da cultura a já citada FLIP, organizada na cidade de Paraty, o Festival Jazz & Blues do Ceará ou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói são exemplos de apostas robustas e qualificadoras do 'presente' merecedores de particular atenção e investigação (*), quer por nos revelarem aspectos de um 'futuro possível' em momento de crise e de incerteza, quer por ousarem desenvolver-se fora dos grandes centros urbanos.

A rede ibero-americana de reflexão sobre 'economia criativa, da cultura e das artes' e 'territórios criativos' (**) que estamos a construir vai um pouco nesse sentido, da vontade de construir um 'futuro com diferentes possibilidades' a partir de um olhar sobre o potencial da relação entre as 'artes, a cultura, a economia e o território'.

Esta rede informal mobiliza já, neste momento,  mais de trezentos cidadãos de ambos os lados do Atlântico e pretende constituir-se como um espaço de reflexão sobre conceitos e de partilha de experiências e projectos que nos ajudem a desbravar 'novos futuros' a partir de um olhar Ibero-Latinoamericano.

Partilhemos, então, o 'futuro desejado'!



publicado por JCM às 09:15 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 22 de Julho de 2011
[DIVULGAÇÃO]
Enviamos para vosso conhecimento a primeira mailing-list ibero-americana de reflexão sobre as 'indústrias culturais e criativas' (LINK)
Neste momento a lista (bilingue, em português e castelhano) integra já mais de 260 membros de Portugal, Brasil, Espanha, Argentina e México.
Um dos temas que estamos a discutir é a relação entre a cultura popular e as indústrias criativas (podem ver um respigo aquihttp://industriasculturaisecriativas.blogs.sapo.pt/ & página Facebook).
Participe na reflexão!


publicado por JCM às 13:55 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 18 de Julho de 2011
IMG_0722.JPG


Aveiro pintura "paisagens ocupadas" De H.Tércio
galeria ENQUADRAR
Cais dos Mercantéis nº7 (à Pr. de Peixe)

Excepcionalmente até sábado dia 30/7. Diariamente das 10h30 às 12h30 e das 14h30 às 19h00. Sábado das 9h30 às 13h00. Pintura


publicado por amigosdavenida às 12:13 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 17 de Julho de 2011



publicado por JCM às 23:02 | link do post | comentar | favorito

‎'Movimento cívico quer Avenida como montra, palco e residência' (Diário de Aveiro)
http://www.diarioaveiro.pt/mai​n.php?srvacr=pages_13&mode=pub​lic&template=frontoffice&layou​t=layout&id_page=10330



publicado por JCM às 23:01 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 16 de Julho de 2011


publicado por JCM às 11:28 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 15 de Julho de 2011
image001.jpg



publicado por amigosdavenida às 19:09 | link do post | comentar | favorito

image001.png



publicado por amigosdavenida às 17:32 | link do post | comentar | favorito

'Sobre Ponte do Rossio'

 

Na Assembleia Municipal foi um pouco evasivo acerca da polémica ponte pedonal que a Câmara tenciona construir no canal central. Afinal, essa ponte faz ou não sentido à luz do estudo que fez para a avenida?

A nossa proposta de desdobrar o Rossio para o lado das Pirâmides pressupõe construir uma nova ponte e não nesse local [proposto pela Câmara à

luz do Parque da Sustentabilidade], mas próximo de onde estava prevista pelo Polis. A ponte que a Câmara se propõe realizar é-nos relativamente indiferente.

 

É importante para este projecto?
Não é. Se fosse nociva, eu diria à Câmara que o estaria a comprometer. Diria que não é mau ter várias pontes. Mas a ponte preocupa-me por causa da Ponte-Praça, que é um projecto infeliz - há ali toda uma agressão topográfica na relação com a envolvente.
Aveiro tem ali um problema grave a resolver. Um dia isso terá de ser estudado e acredito que a solução terá de passar por demolir a Ponte-Praça tal como hoje existe. Quando pensamos em soluções possíveis, tenho medo que a ponte que a Câmara quer construir iniba uma solução boa.

 

 
 


publicado por JCM às 14:00 | link do post | comentar | favorito



publicado por JCM às 13:45 | link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quarta-feira, 13 de Julho de 2011



publicado por JCM às 22:39 | link do post | comentar | favorito

1.º MOMENTO DE INFORMAÇÃO PÚBLICA DO PROJECTO DE INTERVENÇÃO PARA A AV.ª DR. LOURENÇO PEIXINHO

Comentário e Sugestões - Amigosd’Avenida - 12 Julho 2011

 

 

1.

Passados dois anos da apresentação à Assembleia Municipal de Aveiro dos 30 princípios para a requalificação da Avenida Lourenço Peixinho (e onde os Amigosd’Avenida expuseram ‘seis ideias chave e uma proposta metodológica’ 26Junho2009*) e seis meses depois do trabalho da nova equipa de coordenação do projecto, os cidadãos tiveram finalmente a oportunidade para conhecer e discutir os objectivos da intervenção e as primeiras propostas.

Como recentemente alertámos (‘Pela qualificação do debate público sobre o futuro da Avenida‘ 17Maio2011 *) é fundamental que estes processos de planeamento promovam, logo desde o seu início, canais de auscultação e envolvimento da comunidade, para garantir que os projectos respondem aos seus anseios e necessidades e para mobilizar energias e apoios para a defesa e implementação das propostas (algo que temos vindo a desenvolver há algum tempo, recolhendo contributos de cidadãos *). É pois importante que a seguir a este debate se abra um período para recolha de contributos e para posterior avaliação da sua pertinência e consideração na proposta.

Os Amigosd’Avenida aproveitam a oportunidade para disponibilizar os seus canais de comunicação (mailing-list, blogue e redes sociais *) para apoiar a reflexão que o projecto deverá, naturalmente, desenvolver e estimular.

 

2.

Duas das preocupações manifestadas oportunamente pelos Amigosd’Avenida estavam relacionadas com o programa-base, isto é com a natureza dos objectivos definidos, muito centrados no ‘espaço público’, e com a escolha do instrumento de intervenção - um ‘projecto’ sem um perceptível enquadramento num ‘processo de planeamento’ onde se produzisse a devida articulação com um ‘instrumento de planeamento’ global - ‘um plano’ ou um ‘programa’. Esta necessidade é tanto mais evidente quanto o facto do ‘projecto’ prever modificar o uso e transformação do território, quer na Avenida, quer no Rossio e Estação, contrariando, em alguns casos, planos existentes (por ex. PU Pólis).

Após a apresentação da equipa projectista é importante referir que, apesar das dúvidas, o programa base revela várias preocupações importantes, nomeadamente a significativa redução do trânsito de atravessamento, a valorização do modo pedonal e a qualificação do espaço público para a vivência urbana, questões que vão ao encontro de alguns dos princípios que os Amigosd’Avenida subscreveram na sessão da Assembleia Municipal atrás referida (*).

O esboço da proposta apresentada, apesar de se centrar sobretudo no ‘arranjo do espaço público’ da Avenida, contém também aspectos muito interessantes e relevantes, quer de forma quer de ambiência urbana, que vão ao encontro das preocupações já manifestadas.

No entanto, importa lembrar que existe evidência relevante que mostra que a intervenção no ‘espaço público’ (centrada na regulação da circulação, pavimentos e mobiliário urbano) não é suficiente para assegurar uma adequada revitalização das funções económicas e sociais e da vivência urbana da cidade. São exemplos claros desta situação o inêxito das intervenções realizadas na Praça Marquês de Pombal e na Rua Direita.

No que concerne ao desenho do ‘novo Rossio’ importa sublinhar que a proposta de localização da Ponte Pedonal aqui considerada é diferente da prevista, e actualmente em fase de concurso para construção. Tendo em conta essa circunstância, o seu elevado custo (‘próximo de um milhão de euros’) e a avaliação que a equipa faz da sua pertinência (considerando-a ‘inócua’), talvez fosse sensato suspender o seu processo de construção, aguardando pelo desenvolvimento dos estudos.

Para além disso, ainda no que concerne à intervenção no Rossio, será importante procurar avaliar o impacto que a construção da nova frente urbana proposta poderá ter na entrada Poente da cidade, para evitar o ‘efeito traseiras’ que a proposta considerada poderá, eventualmente, proporcionar.

 

3.

Neste sentido, apesar dos méritos que a proposta apresentada revela, parece-nos ser fundamental (re)equacionar o programa base da intervenção e a natureza das actividades necessárias para o concretizar.

Como referimos oportunamente, mais do que a concepção de um instrumento de planeamento centrado no desenho de um novo ‘plano de chão’ ou na regulação do edificado esta é uma oportunidade única para iniciar um processo de requalificação urbana do centro da cidade. Para isso é fundamental que o programa base inclua ou detalhe outras dimensões (por exemplo a social, a económica e a institucional), mobilize outros recursos, competências e vontades locais, e acentue a capacidade de diálogo e concertação com agentes e comunidade, com o objectivo de definir um quadro global de orientação à transformação da Avenida.

Nesse sentido, e partindo dos princípios que os Amigosd’Avenida identificaram como centrais para o futuro da Avenida (AMA, 26Junho2009), sugerimos que seja dada maior atenção a três dimensões: o papel da Avenida Lourenço Peixinho enquanto ‘montra’, aproveitando a estrutura edificada da Avenida (sobretudo ao nível dos pisos térreos - montra) como ‘espaço de divulgação, promoção e comercialização’ das funções económicos, sociais e culturais onde a cidade de Aveiro se distingue e se pode afirmar no contexto nacional (por exemplo nos domínios das tecnologias, arte e cultura, lazer); o papel enquanto ‘palco’, utilizando o espaço público que se prevê qualificar para a realização de um conjunto de actividades de animação cultural e artística (que valorizem a rede de agentes do sector cultural e criativo da cidade); e o papel enquanto ‘espaço de residência para todos, valorizando a Avenida para a função residencial, combatendo o efeito de utilização sazonal das funções económicas e assegurando uma vivência permanente do espaço.

Para a concretização do princípio ‘montra’ julgamos ser fundamental desenvolver um trabalho prévio de identificação das instituições (públicas e privadas), agentes e funções económicas, sociais e culturais relevantes da cidade que poderão necessitar desse ‘efeito montra’, aprofundar o diálogo e concertação com esses agentes e identificar a tipologia de programas funcionais e modos de implementação (desde regimes efémeros e ‘low-cost’ até formas mais exigentes e duradouras). Por último, deverão identificar-se os edifícios/conjuntos urbanos que poderão ser os mais adequados para acolher esses programas funcionais e iniciar a negociação com os proprietários.

Para a concretização do princípio ‘palco’ entendemos ser importante identificar os agentes e instituições do sector cultural e criativo com experiência no desenvolvimento de actividades artísticas e culturais em espaço público (arte, design, comunicação e tecnologia), devendo procurar identificar-se os espaços públicos adequados ao seu desenvolvimento e os projectos e iniciativas a desenvolver, num quadro de um programa de animação do espaço público não intrusivo e equilibrado. Finalmente, deverá haver o cuidado de avaliar os impactos sociais e económicos e prevenir efeitos perversos (‘carácter efémero’, ‘excesso de eventos’ ou ‘disneyficação’).

Para a concretização do princípio ‘espaço de residência para todos’ propomos que se avaliem as necessidades e ofertas de habitação no centro da cidade (em particular no Plano de Pormenor do Centro), se discuta a pertinência e viabilidade de novas áreas habitacionais (Avenida e nos novos Rossios), se avalie o interesse dos promotores para responder às diferentes necessidades, e, por último, se estude as medidas de apoio ao repovoamento do centro da cidade e Avenida.

 

4.

Tendo em conta a necessidade de se encontrarem meios de financiamento municipais para este projecto, é fundamental que se aprofundem e tornem públicos os estudos de viabilidade financeira da operação (em particular os que envolvem o hipotético parque de estacionamento subterrâneo), se avalie o impacto no mercado imobiliário da abertura de duas novas áreas de construção, quando áreas próximas (por ex. PP do Centro) se encontram ainda por construir e vender e, por último, se reequacionem os investimentos previstos que contrariam o proposto neste estudo (nomeadamente a Ponte do Rossio).

 

Amigosd'Avenida, 13 de Julho 2011

 

[*]

Mailing-list  https://groups.google.com/group/amigosdavenida 

Blogue  http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/

Redes sociais https://www.facebook.com/home.php?sk=group_210534045644503

 

 [*]

‘Testemunhos de cidadãos’

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/656890.html

‘Seis ideias chave e uma proposta metodológica’26Junho2009

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/674117.html

‘Pela qualificação do debate público sobre o futuro da Avenida‘ 17Maio2011

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/650669.html

 



publicado por amigosdavenida às 09:15 | link do post | comentar | favorito

262999_217099798331044_100000930778752_561233_6993


O workshop de Auto-retrato, tem como objectivo que o participante no dia 21 de Julho, entre as 15h00 e as 18h00, desenvolva através da técnica de pintura - acrílico s/ tela, o seu auto-retrato.

Teresa Melo (Artísta plástica) & Luis Madaíl (Assessor)

917652405


publicado por amigosdavenida às 08:59 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 12 de Julho de 2011

DOCUMENTÁRIO 'Alboi - Um Canto de Mundo (Parte I)' LEGENDADO EM INGLÊS
[um agradecimento especial ao Tiago CASTRO e João TORRES pelo excelente trabalho]

 
DIVULGUE-O AO MUNDO!
 


publicado por amigosdavenida às 14:18 |
editado por JCM às 14:36link do post | comentar | favorito

image001.jpg



publicado por amigosdavenida às 12:27 | link do post | comentar | favorito

Problema da Avenida é falta de "política de habitação"
O Arquitecto Paulo Anes, membro da Assembleia Municipal, diz que a principal artéria de Aveiro "perdeu vitalidade" por ter menos residentes e utentes do comércio
http://www.diarioaveiro.pt/main.php?srvacr=pages_13&mode=public&template=frontoffice&layout=layout&id_page=10300


publicado por amigosdavenida às 00:10 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11 de Julho de 2011

o anátema* d’a Avenida

(publicado hoje no Diário de Aveiro)

 

Em Aveiro toda a gente sabe do que se fala quando se diz a Avenida? Sim e não. “Sim” porque não é necessário dizer todo o topónimo Avenida Dr. Lourenço Peixinho para se perceber que artéria é. “Não” porque, no fundo, a conhecemos mal. Mal como conhecemos quem ignoramos, ou até desprezamos, aqueles por quem passamos e cujo sofrimento, degradação, decadência nos é indiferente. Por vezes até pensamos que não, pois até tivemos um ato caridoso, mas no fundo o que fizemos foi espiar a nossa má consciência, a ligeireza da atenção. Mas a verdade é simples: sem atenção, sem um plano, sem acreditar, falhamos.

É o mesmo com a Avenida. Já há muito que, de vez em quando, responsáveis municipais apelam para a atenção de alguns sobre o problema. De forma mais ou menos solene, mais ou menos pública, mais ou menos auspiciosa lá se desenvolve mais uma ação de caridade misericordiosa sobre a Avenida. Já lá vão mais de 20 anos desde a primeira que nos lembramos. Entretanto a Avenida passou ao lado das maiores oportunidades de regeneração urbana que Aveiro desejou, mas mal aproveitou, para não falar daquelas de que nem sequer se deu conta. Sim, Aveiro habitualmente deixa passar as oportunidades que o Estado e/ ou entidades externas como a Comunidade Europeia proporciona às urbes do velho continente. E a razão é simples: não planeia, não define prioridades e estratégias, não sabe o que, coletivamente, quer. Vai andando a reboque das oportunidades em vez de estar pronta à espreita delas.

Foi por isso que o Polis Aveiro em vez de seguir e executar o que era estratégico executou o que estava em carteira, sendo que deixou a Avenida de lado. O mesmo sucedeu com as candidaturas aos programas da Política de Cidades Polis XXI inseridos no QREN, no qual Aveiro encontrou meios para desgraçar uma área consolidada, viva, simpática e sustentada da cidade — o Alboi — à conta de um insustentável e especulativo Parque da Sustentabilidade. E, claro, não vamos falar de coisas como o que o paquidérmico estádio pôs de lado e que eram, de facto, estratégicas e bem mais em conta. Aí o provincianismo e a parolice cegaram a lógica e a evidência. Venceram e destruíram por décadas o parco equilíbrio financeiro municipal, para não falar do brio e honradez.

O atual executivo municipal esforça-se por encontrar um novo rumo para a Avenida. Porém está a seguir fórmulas já gastas que não permitem acreditar no sucesso, ou seja, na necessária mudança de paradigma. As experiências similares, bem como a doutrina das políticas urbanas e os consequentes projetos urbanos de sucesso, partiram de outros pressupostos e agentes. Uma das regras básicas é, desde logo, definir coletivamente um conceito — pode mesmo ser uma simples, mas forte ideia estratégica — desenvolvido em plano antes de encomendar um projeto. Nunca se deve encomendar um projeto com o qual surja o conceito, pois isso só serve alguns, a começar pelos projetistas e outras clientelas. Casos recentes têm-nos demonstrado como para um grande projeto tanto quanto um bom autor é necessário um bom cliente, sendo que, nestes casos, o cliente é, necessariamente, a comunidade. Sem o compromisso de todos — consenso é pouco e não serve para nada — não há ações urbanas de sucesso. Quando muito caprichos bem executados e com bom aspeto, mas que não alavancam o desenvolvimento sustentado. Até do futebol sabemos como a estratégia tem sempre de preceder a tática…

O último episódio desses esforços do Município para a regeneração d’a Avenida consistiu na realização de uma apresentação pública, mas pouco publicitada, na passada 6ª Feira à noite, na qual foi dado a conhecer o que se pretende levar a cabo para, ou melhor, em torno d’a Avenida. É um projeto, não um plano e por isso mais uma vez não tem estratégia. É apenas mais um conjunto de boas intenções, cheio de lugares comuns, alavancado num modelo de financiamento que ignora a situação atual e bem instalada do imobiliário em Portugal e na Europa, que continua a querer resolver os problemas d’a Avenida com a continuação da destruição dos seus valores, que entende que a chave da sua regeneração é o investimento público, especialmente em espaço público e equipamentos, não nas atividades e pessoas, etc.

Por trás dos dois “rossios” a criar longe de cada extremo d’a Avenida (um inclui a necessidade de mais uma ponte sobre o canal central!), de um caríssimo e inútil parque de estacionamento subterrâneo (em Aveiro quais são usados?), de um plano de mobilidade que imobiliza e separa, da criação de áreas pedonais de grandes dimensões, de acreditar que a viabilização imobiliária para além da já excedente será a melhor forma de tudo financiar, quais são os mecanismos para a vivência, quais os meios e agentes da regeneração? Por outras palavras: quem faz, quem se instala, quem vai, quem usa? Há compromissos firmes sobre isso? Como se estimula a reabilitação, refuncionalização e ocupação do edificado existente? Será mesmo necessário construir mais? Porque não orientar os recursos para tal no sentido da reabilitação? Como é que duas intervenções pesadas situadas bem além dos extremos d’a Avenida resolvem os problemas em causa? Não será que os aumentam? E n’a Avenida propriamente, nada? Como projeto(s) que é (em vez do plano por onde se deveria ter começado) ignora princípios operacionais hoje básicos como a governância e as parcerias público-privadas, a necessidade de um planeamento baseado na análise e gestão dinâmicas, a aposta nos sistemas de ecologia urbana e na valorização do património urbanístico. Também ignora instrumentos de incentivo potentes e disponíveis. Isto para apenas enumerar algumas “ignorâncias”.

Mais grave do que tudo isso — será que nada se aprendeu com o Alboi? — é a ausência de envolvimento, desde o primeiro momento, da comunidade. Note-se como o projeto ignora algumas ideias já consensuadas em iniciativas de cidadania. O urbanismo não é uma questão eminentemente técnica, mas cívica e política. Já foi mas como dava mau resultado deixou de ser. Também não é uma questão dos políticos, mas da política em plena vivência democrática. Quem são os principais agentes da regeneração urbana? Os cidadãos. Então como a podemos promover sem o seu envolvimento, sem deles fazer clientes em vez de uns beneficiários tidos como tontos e incapazes?

É por tudo isso que aqui vimos apelar ao desenvolvimento do conhecimento, da divulgação e do debate, pois tememos que, uma vez mais, tudo não passe de mais um enorme e bem intencionado esforço do qual serão muito parcos, senão perniciosos, os resultados. Esse mais que simbólico espaço da identidade urbanística de Aveiro tem vindo a sofrer um conjunto de intervenções públicas e privadas avulsas que, por o serem, são erros. Propomos ainda que, humildemente, se comece pelo início: conhecer a Avenida e assim lhe prestar efetiva atenção, reconhecimento e homenagem. É necessário quebrar o anátema* de falta de estima, sob a forma de caridade, lançado sobre a Avenida.

 

Walter Rossa

Sara Ventura da Cruz

cidadãos

  

*Valerá mesmo a apena ver em dicionários o significado profundo do termo.



publicado por JCM às 13:43 | link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito



publicado por JCM às 09:15 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 6 de Julho de 2011
Chamo a atenção para três eventos relevantes sobre o futuro da Avenida e da cidade.
O primeiro que irá ocorrer hoje ao fim da tarde (18:30) na sede da Associação Comercial sobre 'a diversão nocturna e suas consequências' promovida pela Plataforma Cidades (mais informação aqui http://plataformacidades.blogspot.com/). Trata-se de um tema particularmente oportuno no momento em que se planeia construir infra-estruturas (Ponte Rossio) que irão ter consequências na distribuição espacial deste fenómeno!
O segundo que também se realiza hoje ao princípio da noite (21h) é a apresentação do projecto da Avenida à Assembleia Municipal. Se por algum motivo não pôde estar presenta na sessão da passada sexta-feira ou não pode estar hoje no edifício da Capitania julgo pode acompanhar o debate aqui http://www.livestream.com/aveiromunicipal. (Mais informação aqui: http://www.cm-aveiro.pt/www//Templates/TabbedContainer.aspx?id_class=2300&divName=145s2300).
Por último, alerto para um workshop sobre 'Utilização do Espaço Público' que a CMA e a equipa que está a coordenar o projecto da Avenida irão promover no próximo sábado. Mais informação aqui: http://www.cm-aveiro.pt/www/Templates/GenericDetails.aspx?id_object=35374&divName=2&id_class=2.
JCM


publicado por amigosdavenida às 13:14 | link do post | comentar | favorito

image001.jpg



publicado por amigosdavenida às 11:07 | link do post | comentar | favorito

'Peões ganham espaço na Avenida Lourenço Peixinho' (http://www.noticiasdeaveiro.pt/pt/22641/peoes-ganham-espaco-na-avenida-lourenco-peixinho/)


publicado por amigosdavenida às 11:05 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 5 de Julho de 2011

conclusões parciais provisórias


Do conjunto das conclusões alcançadas destacamos, por agora, as que seguem; as totalidades das disponíveis serão apresentadas na reunião abaixo referida.

X

(…)

- A maioria das áreas recreativas (…) é central

- Aumento de violência e distúrbios aos fins-de-semana e a partir das 4h da manha (…), em particular (…) em cidades sem transportes públicos nocturnos e com poucos os táxis (…).

- Aumento do ruído ao fim da noite com perturbação dos vizinhos (…)

- Aumento do tráfico de substâncias ilegais nas áreas estudadas.

- Aumento da sinistralidade e internamentos hospitalares envolvendo jovens (noites de sexta-feira e sábado)

- Descrito pouco impacto da vida nocturna na economia da cidade. Excepção para a área do Bairro Alto e as semanas académicas.

- Queixas generalizadas de falta de policiamento

(…)

Frequentadores de discotecas

. 66% dos jovens vivem com a família

. 52% dos jovens frequentam ou concluíram o ensino superior

. 83 % Estudantes

(…)

-  Nas últimas 4 semanas quantas vezes saíste à noite?                                             o5,9 vezes

- Quando sais à noite, quantas horas costumas sair de cada vez?                            o5,6 horas

Transporte usado para sair e para regressar a casa, à noite?

Transporte privado (ex. Carro, mota)                                                                              74.10% e 68,63%

Quantos acreditam que o efeito de drogas ou álcool lhes suscitam relações sexuais desprotegidas                                     

  45.63%

Nas últimas 4 semanas quantas vezes te embriagaste?                                              o1,77 (média)

Consumo de substâncias

- Com que idade iniciaram os consumos; menores de 18 anos

                                                                                                                      Álcool                 15 anos

                                                                                                                      Cannabis           16 anos

                                                                                                                      Ecstasy             18 anos

                                                                                                                      LSD                    17 anos

(…)

- As medidas de redução de riscos são importantes e necessárias mas não são suficientes porque não questionam a lógica da cultura recreativa



publicado por amigosdavenida às 16:04 |
editado por JCM às 16:07link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 4 de Julho de 2011

 

 

 

Estudo da Cultura Recreativa como Instrumento de Prevenção
conduzido e apresentado por

Fernando J.F. Mendes e colaboradores

IREFREA - European Institute of Studies on Prevention

 

A busca da Cidade Querida faz-se, também, estudando usos e suas correlações com a estrutura, forma e vida urbanas.

A Diversão Nocturna em Aveiro tem um enorme impacto, quer na qualidade de vida dos cidadãos, quer nas expectativas de quem a pratica, quer, finalmente, nos processos socioeconómicos e culturais que lhe estão associados.

 

A Plataforma Cidades e a Associação Comercial de Aveiro (ACA) promovem – no Salão do Edifício Sede da ACA (*), no próximo dia 6 de Julho (Quarta-feira), das 18h30 às 19h45, uma reflexão sobre os resultados do Estudo em título, centrando-a no caso de Aveiro e no modo como isso interfere na vida urbana.

 

O Estudo será apresentado pelo Dr. Fernado Mendes – responsável nacional e co-responsável europeu pelo Projecto –, e pelo Dr. Emídio Abrantes – responsável pelo caso de aveiro.

 

objectivos do projecto

Do conjunto de objectivos gerais do projecto vamos procurar centrar-nos nos que seguem

-           Conhecer as melhores medidas de prevenção associadas ao contexto recreativo

-           Produzir informação para diagnosticar as áreas de lazer, nas cidades ou arredores

-           Diagnosticar e avaliar em que fase está cada cidade.

-           Definir problemas e associá-los à respectiva iniciativa de prevenção. Propor acções preventivas para cada cidade. Elaborar um "manual de boas práticas preventivas" para um modelo integral

(…)

conclusões

Do conjunto das conclusões alcançadas destacamos [que]

-           As medidas de redução de riscos são importantes e necessárias mas não são suficientes porque não questionam a lógica da cultura recreativa

 

 

Convite

Certos do V/ interesse por estas matérias, vimos convida-lo(a) a participar na reunião acima.
(*),                
R. Conselheiro Luís de Magalhães, 25

 

Aveiro; 30JUN11

Direcção da Associação Comercial de Aveiro & Pompílio Souto e Emídio Abrantes

 

Mais informação: http://plataformacidades.blogspot.com/

 



publicado por amigosdavenida às 10:21 |
editado por JCM às 10:25link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Julho de 2011
clip_image002.gif


1.º MOMENTO DE INFORMAÇÃO PÚBLICA DO PROJECTO DE INTERVENÇÃO PARA A AV.ª DR. LOURENÇO PEIXINHO (HOJE, 21H no Salão Nobre da CMA)

http://www.cm-aveiro.pt/www/Templates/GenericDetails.aspx?id_object=35333&divName=2&id_class=2



DOCUMENTOS PRODUZIDOS PELA CMA: http://www.cm-aveiro.pt/www//Templates/TabbedContainer.aspx?id_class=2300&divName=145s2300



PREOCUPAÇÕES DOS AMIGOSD'AVENIDA - PELA QUALIFICAÇÃO DO DEBATE PÚBLICO SOBRE O FUTURO DA AVENIDA: http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/650669.html



TESTEMUNHOS DE CIDADÃOS - DESAFIO LANÇADO PELOS AMIGOSD'AVENIDA (Artur Salvador, Manuel Cartaxo, Alberto Souto, Manuel Janicas, Joel José Ginga, Fernando Nogueira, Nuno Sousa, José Carlos Mota e João Martins) http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/656890.html


publicado por amigosdavenida às 10:06 | link do post | comentar | favorito

Pela qualificação do debate público sobre o futuro da Avenida

(17 de Maio 2011)

 

1. A Avenida Lourenço Peixinho representa para muitos aveirenses e para a cidade um espaço de particular relevância simbólica e funcional que tem vindo a sofrer nos últimos anos um profundo processo de desqualificação e descaracterização que se traduz numa crescente desvalorização como espaço residencial, comercial, de serviços e de lazer, com impactos significativos na vida da cidade e da região.

2. A conferência organizada pela autarquia em Novembro de 2008 sobre o ‘futuro da Avenida’ foi recebida com expectativa e particular interesse, pois respondia a uma preocupação colectiva, propunha a definição de um novo instrumento de planeamento para aquele território e manifestava o desejo de envolver a comunidade na construção colectiva desse ‘projecto’.

3. Em consequência dessa conferência foi produzido um documento (‘30 princípios’) que sendo um esforço relevante foi também entendido como um resultado redutor do potencial de envolvimento da comunidade que a conferência indiciava.

4. No final do ano passado a autarquia deu conhecimento da criação de uma nova equipa técnica de coordenação do projecto, liderada pela Universidade de Aveiro. Desde então têm sido realizados alguns momentos de inquérito e auscultação de grupos de interesse, como se pode constatar pela publicação de algumas notícias na comunicação social.

5. Passados alguns meses sobre o arranque dos trabalhos, existe a expectativa de que em breve possa decorrer um primeiro momento de debate público, com a participação de todos os cidadãos interessados e com os responsáveis técnicos e políticos do projecto.

6. Esse momento de debate é tanto mais importante quanto o facto de notícias recentes (‘Requalificação da Avenida vai rondar os quatro milhões’, Diário de Aveiro, 21 de Abril 2011 – notícia disponível em http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/644739.html; ‘A avenida mais criticada também é a mais estimada’, Público 1 Abril 2011) terem levantado algumas de dúvidas quanto à natureza da encomenda e seus objectivos (‘projecto de espaço público’ ou ‘plano(s) urbanístico(s)’?), área de intervenção (‘Avenida e envolvente imediata’ ou ‘Rossio/Avenida/envolvente Estação’?), metodologia e faseamento das actividades (‘projecto entregue em Agosto’ e ‘obra no último trimestre’) e momentos e carácter da participação pública (‘a CMA conta divulgar amplamente a intervenção’).

7. As dúvidas colocam-se, em particular, nos seguintes aspectos:

  • Qual a natureza do instrumento de planeamento que está em desenvolvimento? Se se trata, como algumas notícias sugerem, sobretudo de um ‘projecto de arranjo do espaço público’ da Avenida (para fazer ‘obra’), será esse o instrumento adequado para responder às transformações e necessidades da Avenida e da cidade?
  • E se a área territorial é mais abrangente que a Avenida e áreas vizinhas como será garantida a coerência global às intervenções urbanísticas referidas para o Rossio e Estação?
  • E quanto às dinâmicas sociais e económicas de animação da Avenida, fundamentais para a sua revitalização, de que forma irão ser consideradas e qualificadas? E qual o papel a autarquia entende dever ter nos esforços de dinamização e animação funcional da Avenida?  
  • No que concerne aos objectivos do ‘projecto de requalificação’, não seria importante que a comunidade os pudesse conhecer de forma detalhada para poder discutir com os responsáveis políticos a sua pertinência, reflectir sobre as necessárias dinâmicas institucionais, cívicas e empresariais e ponderar sobre o alinhamento das suas próprias iniciativas?
  • E não será nesta fase, em que ainda não se conhecem com detalhe as propostas, que a intervenção dos cidadãos deve ocorrer, com benefícios óbvios quer para a qualificação do ‘projecto’, quer para a necessária aprendizagem de participação que estes projectos inovadores devem ter (tanto mais que a Universidade de Aveiro está envolvida)? E se existe a vontade de mobilizar os cidadãos e os agentes sociais e económicos não deveria haver uma ampla informação (logo desde o início e de diversas formas) para criar oportunidade para formar opinião, dar solidez ao conceito e programa e mobilizar esforços para a acção (por exemplo, para a identificação de projectos âncora ou para criar sinergias entre parceiros)?

8. Algumas destas dúvidas foram já colocadas por alguns dos cidadãos auscultados no processo técnico de elaboração do ‘projecto de requalificação da Avenida’ e enviadas oportunamente à Presidência do Executivo Municipal.

9. A publicação destas dúvidas pretende dar um contributo para a reflexão técnica e política do processo e para o arranque do debate público sobre o futuro da Avenida Lourenço Peixinho, envolvendo todos os cidadãos e forças vivas da cidade. 

 

[reflexão continua aqui https://www.facebook.com/home.php?sk=group_210534045644503 (Grupo Faceboook) e aqui https://groups.google.com/group/amigosdavenida (Mailing-lits)]

 

José Mota, Gil Moreira, Filipa Assis, Joaquim Pavão, Anabela  Narciso, Tiago Castro, António Morais, Cristina Perestrelo, João Martins, Gaspar Pinto Monteiro



publicado por amigosdavenida às 09:15 | link do post | comentar | favorito

avvvv.JPG

TESTEMUNHOS SOBRE AVENIDA (http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/).

Leia os contributos já recebidos (Artur Salvador, Manuel Cartaxo, Alberto Souto, Manuel Janicas, Joel José Ginga, Fernando Nogueira, Nuno Sousa, José Carlos Mota e João Martins)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/659524.html (AS)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/658263.html (MC)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/656413.html (AS)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/653222.html (MJ)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/652982.html (JJG)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/652224.html (FN)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/652010.html (NS)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/651599.html (JCM)

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/651271.html (JM)



publicado por amigosdavenida às 09:00 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
VISITAS
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
FOLLOW
G. Analytics
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
MAPA
Facebook
Partilhar
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008