Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012
cartaz fins da.jpg


"O Arquivo Distrital - o que nos contam os livros" - por Lucinda Bastos Tavares (ADA) - Fins de Tarde no Museu - 4 Dez. 2012 - 16h30


publicado por amigosdavenida às 15:00 | link do post | comentar | favorito

É uma insanidade o que se está a fazer ao Albói!

(artigo de opinião de Pompílio Souto, Diário de Aveiro, 27 NOV 2012)

 

 

É uma insanidade o que se está a fazer ao Albói!

 

Por omissão, ignorância ou interesses mesquinhos, vai-se infernizar a vida dos residentes para dar espaço à diversão noturna e oportunidade ao desmando, bebedeira e outras coisas ainda piores.

 

1)

Os Bairros antigos não são, apenas, "cenários" - bucólicos ou esquisitos -, nem os residentes "espécimes" - humanas extravagantes -, que se expõem à voragem parola de quem usa o recato e singularidade dos espaços para comportamentos indevidos ou fruições voyeuristas.

 

Os Bairros são comunidades, lugares e espaços, íntimos, ricos de uma vida com memória e laços com história. Tal como as famílias, gostam e sabem acolher visitas, mas rejeitam intrusos. E intruso é, não apenas quem se intromete, mas também quem lhe cria a oportunidade.

 

Num Bairro, o comércio e os serviços são os próprios disso – são apoios à residência – e a animação é a própria da vida que ai se faz – tem um carater gregário.

Obviamente que há festa, como em nossas casas, feita para os amigos e outros que presamos –, coisa que acontece nos dias e horas que nos convêm, ou, quanto muito, quando não nos perturbam.

Não perceber isto, é não perceber nada do que é básico na organização e gestão do espaço urbano e da vida das pessoas que o habitam: os cidadãos. Desrespeitar isto é uma violência, um disparte que todos pagaremos caro.

 

2)

No Albói a coisa – as esplanadas para a diversão noturna; o tráfego de atravessamento; a segmentação do jardim e os vários desrespeitos da lei –, faz-se em nome de um projeto estratégico e estruturante e transversal e incontornavelmente, dito – obviamente – "sustentável": o Parque da Sustentabilidade (PdS).

Para viabilizarem tal coisa – o PdS – a câmara a universidade e mais uns quantos, tiveram de se organizar numa "parceria" – "parceria para a regeneração urbana" -, e à volta deste conceito, num mesmo território, montaram um projeto que é a soma dos projetos do interesse de cada um.

À pala disso todos os envolvidos receberam algum do dinheiro que nós, e outros europeus, já antes tínhamos mandado para Bruxelas, dinheiro esse ao qual tiveram, obviamente, de juntar mais algum, neste caso apenas nosso e para somar ao(s) calote(s) (pelo menos de alguns).

 

Estava montada a cena: ninguém era – sozinho –, responsável pelo que andava (e anda) a fazer o parceiro, e a câmara, "coitada" – a mais causticada -, dizia-se "coberta" pelos doutos pareceres de uns e pelos silêncios coniventes dos demais, circunstância que a todos lá ia permitindo fazer o seu e passar, incólume, por entre os pingos da reclamação cívica.

 

Mas não passarão pelo julgamento das pessoas-de-bem, e da história. Quer os daqui que fazem, quer os outros que lhes dão a massa e o mando; quer os que se calam mas consentem, quer os que se demarcam mas se ficam: todos serão convocados.

Tudo isto e todos estes têm nomes e para memória futura, ou para quando o caldo entornar, e alguém vier a julgar os resultados – nalguns casos ilegais –, temo que o que prezo, quem estimo e os amigos envolvidos, não fiquem a salvo.

 

3)

Não chega que a Universidade – pela voz do Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção –, e que a ADERAV – pela do Eng.º Lauro Marques – se distanciem do processo e se demarquem de alguns resultados (*1). Não chega que outros parceiros (sem que se saiba), tenham desistido ou rejeitem a coisa. Não chega que, na Comissão de Acompanhamento do Projeto, o Prof. Doutor Carlos Borrego denuncie a insustentabilidade geral e específica, quer da iniciativa, quer de muitos das suas intervenções (*2). Não chega que um conjunto muito importante de cidadãos comuns (*3), ou com formação e desempenhos de referência (*4), venha a insurgir-se com o que se passa. É preciso que todos sejamos mais claros e consequentes.

 

Espera-se que todos esses – e mais os outros, a começar pelos parceiros e quem os apoia (*5) –, venham a público dizer o que se lhes oferece sobre o essencial do PdS e, muito concretamente, sobre o projeto de que aqui hoje se fala: o da instalação de diversão noturna no Albói.

Ao contrário doutros, penso que (pelo menos) alguns o farão, apoiados no bom senso ou na competência e, em qualquer caso, como expressão da verticalidade da respetiva postura cívica.

Veremos!

 

(*1),     Ver Diário de Aveiro de 5/11/2012 e 15/11/2012, respetivamente

(*2),     Em reunião da Comissão de Acompanhamento do Projeto realizada em 16/03/2012

(*3),     Amigos da Avenida, Plataforma Cidades e muitos outros individualmente

(*4),     Júlio Pedrosa, Carlos Borrego, Casimiro Pio e outros, nomeadamente, no manifesto de Plataforma Cidades de 28/05/2010.

(*5),   Fernando Marques, da Junta de Freguesia da Glória; Artur Calado, da Inova-Ria; Vítor Torres do Clube de Ténis de Aveiro; Manuel Assunção, da Filarmónica das Beiras e Jorge Silva, da Associação Comercial de Aveiro. Bem como Vitor Correia, da Companhia de Teatro "O Efémero"; Eduardo de Sousa (Atita), dos Amigos do Parque; Paulo Rebocho, da Associação Água Triangular; Fátima Mendes, Florinhas do Vouga; Ordem Terceira de S. Francisco; Paulo Domingues, da QUERCUS Aveiro. E ainda, Nuno Vasconcelos, da IHRU; Gonçalo Couceiro, do IGESPAR. E finalmente, Ana Abrunhosa e – sobretudo -, Pedro Saraiva, da CCDR-C.

            Não esquecendo, obviamente, os académicos e os investigadores (de algum modo ligados ao Projeto), nomeadamente, Artur da Rosa Pires; Liliana Xavier de Sousa; José Claudino Cardoso.

            Mas também, Carlos Marques, do Conservatório de Música de Aveiro; Manuel Assunção, da Universidade de Aveiro e Lauro Marques, da ADERAV, que já se afastaram do projeto, ou se distanciaram de alguns resultados, mas nada disseram deste – o do Albói – que é, obviamente, o que maior impacto sociocultural terá, para os cidadãos, no curto prazo.

 

 

http://www.pompiliosouto.blogspot.com

Aveiro_20NOV12; Pompílio Souto; Arquiteto


tags: ,

publicado por JCM às 09:55 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Hackers “ao serviço da cidadania” andam à caça de casas devolutas

http://p3.publico.pt/actualidade/sociedade/5558/hackers-ao-servico-da-cidadania-andam-caca-de-casas-devolutas

 

 

Experiências

http://geodevolutas.org/

http://casastristes.org/

http://www.transparenciahackday.org/ 

 

Outras experiências

http://www.arrebita.org/

https://www.facebook.com/MemoSito

http://rehabitarlisboa.cm-lisboa.pt/inicio.html



publicado por JCM às 09:10 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

Custa-me perceber a razão pela qual a autarquia se recusa a prestar esclarecimentos aos moradores do Alboi quanto à obra que está a ser feita no jardim Conselheiro Queiroz (no âmbito do Parque da Sustentabilidade).

É que, de facto, tal como os moradores referem (*1), a obra não parece corresponder ao que foi deliberado na reunião do executivo em 14 Outubro 2011 que define o seguinte:

JARDIM DA PRAÇA CONSELHEIRO QUEIROZ - A versão actual substitui as zonas de pavimento preparadas para o atravessamento por zonas ajardinadas

(ver imagem abaixo e deliberação em *2)

Ou será que estou a ver mal?

JCM

 

 

 

 

 

 


tags: ,

publicado por JCM às 23:16 | link do post | comentar | favorito

Conceber uma cidade (do futuro) que possibilite a cidadania ativa

(concurso dirigido a jovens dos 17 a 21 anos)

http://www.etwinning.net/pt/pub/news/news/european_year_2013-_european_y.htm
http://files.eun.org/etwinning/17_21_years_en.doc

 

17 -21 anos de idade: Europia – Europe today and tomorrow encoraja os alunos a olhar para a sua própria cidade, fazer com que os cidadãos possam satisfazer as suas necessidades, e depois pesquisar a conceção das cidades no passado. Familiarizar-se-ão com conceitos alternativos para cidades (cidades educativas, cidades lentas, cidades para crianças) e com experiências sociais, tal como foram apresentados na tradição filosófica, na literatura, no cinema. Tendo por pano de fundo todas estas ideias terão de criar um produto da sua própria visão do futuro para uma cidade ou sociedade. Esta atividade está ligada ao tema do concurso Europia – Europe tomorrow: Designing a social utopia or a city of the future, that enables active citizenship“.



publicado por JCM às 10:20 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 19 de Novembro de 2012

Divulgação de apelo da comissão de moradores do Alboi

'Consta-se que haverá uma estrada a atravessar o Largo Conselheiro Queirós (a autarquia não esclarece a comissão de moradores sobre a natureza da obra em construção). Perante esse facto propõe-se que amanhã, às 14 horas, se organize uma concentração no Largo'



tags: ,

publicado por JCM às 23:55 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 16 de Novembro de 2012

Extraordinary projects from BLDG / spmb (Karen Shanski e Eduardo Aquino)
by Hazel Borys
http://www.spmb.ca/

 

ou então

e ainda

e


tags:

publicado por JCM às 17:31 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

ADERAV DEMARCA-SE DE GRANDE PARTE DOS PROJETOS DO PARQUE DA SUSTENTABILIDADE

Aveiro 2012-11-15 08:35:08

http://www.terranova.pt/index.php?idNoticia=19875

Parceira da Câmara de Aveiro no Projeto Parque da Sustentabilidade, para o qual propôs o restauro das igrejas de Santo António e São Francisco, a ADERAV vem agora a público assumir a crítica a grande parte das intervenções feitas no âmbito do projeto. Mesmo admitindo que o resultado final possa ser menos gravoso, sublinha que o processo tem sido marcado por um “estado de desgraça”.

A Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro interroga-se sobre os caminhos para onde caminha a sustentabilidade do Parque Infante D. Pedro. Diz que tem estado atenta ao que se está a passar com os espaços verdes da cidade de Aveiro e teme que depois da retirada do verde do Bairro do Alboi, o projeto siga com a “decadência do Parque Infante D. Pedro”.

A crítica aborda a demolição do ringue do parque como “a gota de água” e sai em defesa de um espaço que a pretexto da ponte pedonal poderá destruir as ligações da população à cidade. “No final não haverá ponte que ligue os aveirenses a esta autarquia que insiste em delapidar património”, salienta a ADERAV em nota divulgada na última noite.

Para a associação é curioso que o “processo de degradação” esteja rotulado com a palavra “sustentabilidade” quando “os espaços verdes desta cidade atravessam um período cinzento”.

“Os meios para atingir os fins, que se vislumbram distantes, são lamentavelmente desastrosos, como se passassem elefantes por uma loja de porcelanas e sem que os fundamentos de tais decisões sejam devidamente explicitadas aos cidadãos aveirenses, legítimos detentores do direito de usufruto de tais espaços”.

Sobre o parque Infante D. Pedro, a ADERAV diz que o “pulmão verde” da cidade “está canceroso”, com “amontoados de inertes”, “lama”, “tubos”, “caminhos intransitáveis, vedados ou simplesmente fechados ao público”, “bancos partidos”, “lago sujo e desinteressante”, num cenário distante “dos tempos áureos de Lourenço Peixinho”.

Mesmo que no final o espaço fique mais cuidado, a ADERAV realça os prejuízos de um tempo que ficará na memória dos turistas que visitam a cidade nesta altura.


tags: ,

publicado por JCM às 13:29 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012



publicado por JCM às 19:46 | link do post | comentar | favorito

A organização norte-americana Project for Public Space identifica quatro critérios-chave a ter em conta no desenho do espaço público: a acessibilidade e conexões, conforto e a imagem, os usos e as actividades, e a sociabilidade (ver esquema em www.pps.org/reference/grplacefeat/). A destruição do ringue e do parque infantil do Parque D. Pedro vai afectar de forma decisiva as duas últimas dimensões, isto é vai retirar usos essenciais à vida daquela área nuclear do parque e uma das razões que leva crianças, jovens, adultos e idosos ao Parque. Acreditar que estas peças podem ser ‘transladadas’ para outro lugar e produzir o mesmo resultado parece-me (no mínimo) arriscado.
Acontece que, pelo que é possível perceber da proposta, esta destruição aparenta não ter razão de ser porque a ponte pedonal aérea (cuja necessidade é amplamente questionada) não é aí que irá ser implantada (vejam bem a proposta). Perdemos um campo de jogos e um parque infantil a troco de nada... De nada não, este investimento de utilidade muito duvidosa custa-nos mais de um milhão de euros.

JCM



publicado por JCM às 19:45 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

A propósito das dúvidas sobre as intervenções no Parque D. Pedro (operação integrada no Parque da Sustentabilidade), em particular o desmantelamento do histórico campo de jogos, procurei obter alguma informação sobre a proposta da Ponte Pedonal que liga o Parque D. Pedro à Baixa de St. António (ver powerpoint disponível no site da CMA *). Pela análise da informação disponível não é perceptível a razão que levou o projectista a propor a destruição do campo (e do parque infantil) já que este não colide com a implantação da futura ponte. Admito que haja uma explicação razoável, mas esta não é óbvia. Seria importante que a autarquia desse algumas explicações aos cidadãos sobre o assunto. 
(*http://files.cm-aveiro.pt/XPQ5FaAXX33586aGdb9zMjjeZKU.pdf)


JCM


PS. A discussão continua em Pensar o futuro - Aveiro em 2020 



publicado por JCM às 23:49 | link do post | comentar | favorito


Gostaria de prestar uma singela homenagem ao colectivo alargado de cidadãos que durante dez meses ofereceu o seu esforço e dedicação à nobre causa da defesa cívica da cidade e à crítica a um projecto que poderia ser lesivo do seu futuro, a construção da ponte pedonal no canal central. 
O colectivo tem rostos e nomes que nem sempre aparecem e que merecem ser referidos e recordados. Cito: Alexandra Monteiro, Ana Catarina Souto, Ana Vasconcelos, Artur Figueiredo, Carlos Naia, Celso Santos, Clara Sacramento, Cristina Perestrelo, Filipa Assis, Gaspar Pinto Monteiro, Gil Moreira, Gustavo Tavares, Gustavo Vasconcelos, Ilídio Carreira, João Martins, Joaquim Pavão, Jorge Miguel, Manuel Oliveira de Sousa, Manuel Pacheco, Manuela Cardoso, Margarida Cerqueira, Maria Manuela Melo, Mariana Delgado, Paulo Lousinha, Paulo Marques, Sara Biaia, Sara Ventura da Cruz, Sónia Fidalgo, Teresa Castro, Tiago Castro, Violeta Ferreira, as centenas de cidadãos que estiveram presentes nos eventos públicos, os 1.711 das redes sociais, os 3.532 que subscreveram a petição, todos os outros que silenciosamente partilharam as nossas preocupações.
Nestes quase dez meses de actividade, este colectivo trocou, entre si, mais de 1.200 mensagens, enviou milhares de mensagens, organizou quatro sessões públicas presenciais e dezenas de reuniões preparatórias, protagonizou uma petição pública, produziu um parecer técnico-jurídico enviado às instituições com responsabilidades no ambiente e ordenamento do território, desenvolveu uma petição enviada ao primeiro-ministro, ministro da economia e ministra do ambiente. Falou com dezenas de interlocutores institucionais. Por último, contou com a notável (e decisiva) colaboração cívica da Doutora Fernanda Paula Oliveira na produção do memorando jurídico que identificou ‘fundadas dúvidas quanto à legalidade do processo e das decisões em causa’.
O esforço desenvolvido deixou vários frutos. Descobriu-se o enorme potencial mobilizador da memória colectiva, em particular no que se refere ao canal central da ria (‘o coração da cidade’), mostrou-se a importância e obrigatoriedade de criar consensos prévios e de envolver os cidadãos nas decisões sobre o futuro da cidade, e exigiu-se uma postura crítica sobre a necessidade de sensata aplicação de recursos públicos. Mas fez-se mais, mostrou-se o enorme poder dos grupos de cidadãos com causas, organização, postura fundamentada e persistência. 
O levantamento do ‘cerco’ no Rossio termina um ciclo, os cidadãos desafiaram o destino e (contra todas as expectativas) conseguiram mudá-lo. Se todos aprendermos bem a lição podemos tornar a fazê-lo. É só querer!
Abraço
JCM



publicado por JCM às 23:24 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

 

 

European Citizen´s Initiative "30kmh – making streets liveable!"
http://pt.30kmh.eu/



publicado por JCM às 13:48 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 9 de Novembro de 2012

Balanço de quatro anos de activismo cívico por Aveiro 

 

Dinamização ou participação nas seguintes iniciativas cívicas:

 

Blogue Amigosd'Avenida e Mailing-List Pensar o futuro de Aveiro 

.

Se esta Praça fosse minha - 250 anos da cidade 

Manifesto pela Animação e Qualificação do Espaço Público

Projecto Aqui! Here! 

.

Apelo pelo Parque da Sustentabilidade

Abate das árvores da Avenida

Contra o Alboi Cortado ao Meio

Contra a Ponte Pedonal no Canal Central 

O futuro da Avenida

.

Pensar o futuro - Aveiro 2020 & Grupo Facebook - Pensar o Futuro - Aveiro 2020

Roteiro Itinerante da Participação 



publicado por JCM às 18:20 | link do post | comentar | favorito

Amigosd’Avenida, quatro anos de activismo cívico por Aveiro. 
Obrigado pelo seu envolvimento!

http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/ 
https://www.facebook.com/AmigosdAvenida.Aveiro

 



publicado por JCM às 13:29 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012

 

Can social media promote a “meaningful” relationship between communities and local authorities? Lessons from Aveiro, Portugal
José Carlos Mota & Gonçalo Santinha

World Town Planning Day Online Conference (6-7 November 2012)
http://www.planningtheworld.net/



publicado por JCM às 16:52 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 5 de Novembro de 2012
image003.jpg


[cid:image003.jpg@01CDBB4A.66001D70]


publicado por amigosdavenida às 11:41 | link do post | comentar | favorito


tags:

publicado por JCM às 09:46 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
VISITAS
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
FOLLOW
G. Analytics
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
MAPA
Facebook
Partilhar
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008