Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

1.        

A Câmara Municipal de Aveiro lançou, em boa hora, o debate sobre o futuro da Avenida Lourenço Peixinho. Contudo, pela sua importância social, cultural e económica e posição “geoestratégica” discutir o futuro da Avenida implica, necessariamente, reflectir o futuro da cidade de Aveiro. Não faz assim sentido olhar para a Avenida como uma peça isolada do seu contexto, pelo que a identificação dos problemas, a análise das suas causas e a sugestão de propostas de intervenção deverá identificar, com particular cuidado, a sua área territorial pertinente (que não pode deixar de considerar, pelo menos, o eixo Rossio-Estação e o eixo Rua Gravito-Rua Direita).

2.        

Os problemas, potencialidades, oportunidades e riscos da Avenida foram amplamente documentados no debate que recentemente se realizou (cujos documentos a autarquia, decerto, irá partilhar publicamente). Retenho (e acrescento) alguns dados fundamentais. Apesar dos problemas de atractividade da sua oferta comercial a Avenida é marginal a um espaço comercial (Fórum) que atrai cerca de 10 milhões de visitantes/ano. Apesar do “peso” das deslocações automóveis (10.000 carros/dia), o comboio alimenta-a com mais de 13.000 peões/dia. Apesar da perda de algumas funções económicas tradicionais (comércio e serviços) a Avenida, e a sua área envolvente, têm vindo a captar um conjunto de dinâmicas culturais relevantes (notícia DA – 6/11/08 – Gravito quer ser a Miguel Bombarda aveirense).

3.        

Julgo, assim, que o debate sobre a Avenida deve, por agora, sair da esfera do projecto urbano, do saber se deve ou não ser pedonalizada ou qual a melhor opção para a mobilidade e estacionamento, devendo centrar-se na reflexão sobre a análise das dinâmicas funcionais que aqui têm vindo a ocorrer e sobre o carácter que se pretende que venha a ter no futuro (como bem sublinhou Prof. EA Castro).

4.        

A este propósito, a observação das actividades culturais que aqui se têm vindo a localizar permite concluir da existência de um emergente conjunto de actividades diversificadas, qualificadas e inovadoras (de produção e consumo cultural), para além de um enorme potencial oferecido pelos espaços construídos e não construídos de fruição cultural. Do conjunto, salienta-se: Edifícios da Capitania/Estação, projecto Performas/T.Avenida e as três escolas de música. Na envolvente imediata à Avenida, refere-se: Projecto Encontra(arte) da Rua Gravito/Alberto Soares Machado; o Museu da Cidade e o (futuro) Museu Arte Nova; o Mercado Negro e bares da Praça do Peixe. Na envolvente próxima: o TA; o Museu S. Joana (com o seu projecto de ampliação); as cinco companhias de Teatro; a UA – investigação e ensino (DECA), a programação cultural (em particular os concertos de Outono) e a Fábrica da Ciência (com eventos organizados em vários pontos da cidade); Conservatório de Música e a Orquestra das Beiras; I&D na área das TIC (conteúdos culturais – empresas associadas à INOVARIA); Produtores culturais e eventos culturais inovadores (por ex: Sons em Trânsito).

5.        

Como se pode constatar a cidade dispõe, nesta matéria, de recursos de excelência, que projectam o nome dos seus protagonistas a nível nacional e internacional. Infelizmente, a cidade e a comunidade aveirense não têm sabido aproveitar convenientemente estas dinâmicas e coordenar as sinergias entre os vários projectos/programações.

6.        

Aveiro e a sua Avenida estão, pois, perante um grande desafio. A cultura e a criatividade podem tornar-se num sector vital para a sua afirmação económica e social. A Avenida e área envolvente podem tornar-se num laboratório inovador da aplicação do conceito de “Quarteirão Cultural” (Comedia, 1991), um espaço urbano que tem na função cultural o seu principal elemento mobilizador.

7.        

Neste sentido, justifica-se que se encontrem meios excepcionais para responder a este desafio, em particular meios humanos e logísticos que assegurem a adequada mobilização dos diversos agentes em presença (CMA, Comerciantes, Agentes Culturais, UA e grupos de cidadãos). Esta mobilização deveria permitir desenvolver: uma análise cuidada das dinâmicas existentes ou potenciais (falando e ouvindo com quem tem vindo a produzir actividade); uma investigação sobre experiências internacionais relevantes, exemplos com os quais podemos aprender (por ex: Templebar – Dublin http://www.tascq.ie); a definição de um programa base para a Avenida, que permita o início da reflexão sobre o projecto urbano que lhe deverá dar corpo; equacionar uma candidatura do “Quarteirão Cultural” da Avenida no âmbito da Política de cidades/ Parcerias para a Regeneração Urbana.

 

 

 

José Carlos Mota

investigador UA



publicado por JCM às 14:30 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
VISITAS
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
FOLLOW
G. Analytics
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
MAPA
Facebook
Partilhar
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008