Segunda-feira, 18.02.13

inscrições em http://applaneadores.pt/

 



publicado por JCM às 22:21 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 31.01.13
 

5.ª feira, dia 31/jan

 

Em Coimbra apresentação do livro “Dos Planos à Execução Urbanística” de Jorge Carvalho. Às 21 horas na Livraria Almedina/Estádio, em Coimbra.

 

No Porto, apresentação do livro ‘Nova Vida do Velho Centro' editado por Maria Encarnação Sposito e José Rio Fernandes. Às 16h no Café Guarany, no Porto.

 

 



publicado por JCM às 10:00 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 28.01.13

 

20130128

Divulgação #01

CALL FOR PAPERS

Data limite: 31 Março 2013

 

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

‘EUROPA 2020: RETÓRICA, DISCURSOS, POLÍTICA E PRÁTICA’

II Conferência de Planeamento Regional e Urbano

VIII ENPLAN

XVIII Workshop APDR

Universidade de Aveiro, 5/6 Julho 2013

http://conferenciapru.blogs.sapo.pt/

https://www.facebook.com/PlaneamentoRegionaleUrbano

https://www.facebook.com/groups/europa2020/

http://www.ua.pt/dcspt



publicado por JCM às 22:57 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 12.07.10

[messages from RTPI Conference - PLANNING: SHAPING THE FUTURE, UK]

'If you want people to feel connected to their communities, proud of their communities, then you give people a real say over what happens in their communities. And the power to make a difference'

'Lack of funds means we must work together better than ever'



publicado por amigosdavenida às 18:30 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 08.06.10

Gostaria antes de mais, agradecer a entrevista do Sr. Jorge Greno. Numa altura em que se discute o rigor na escola pública, o papel do cidadão na construção da sua identidade, da identidade do espaço onde habita, a especialização profissionalizada da sociedade activa e desespera-se por novos modelos onde o capitalismo não fique refém de si próprio, eis que o Sr. Jorge Greno propõe uma “nova” abordagem que num primeiro olhar pessoal chamarei de Grenismo.

O Grenismo foi então buscar à escola sofistica as bases do sistema que propõe. Alterna o empirismo pré-socrático com a objectivação de Patton. Mas, vamos a factos. Estes nada empíricos, como velho do Restelo, antiquado ou mesmo "agente de agenda politica escondida" que sou.

O Grenismo não entende os chatos intelectuais. E a prova está à vista, aliás a olho nú. Duas horitas numa esplanada e “voilá”, estudo prévio realizado. Conclusão assinada e nem vale a pena perder tempo com os senhores, urbanistas, arquitectos, engenheiros e outros tantos “lobbies” locais que como espiões infiltrados, tentam planear um golpe politico ao perder tempo analisando dados, estudando soluções e concedendo alternativas no mínimo demasiados complexas porque o olho não mente. Qual Galileu, qual quê! Este assunto apenas é de opinião. Não necessita de mais! Aliás, fico desde já disponível para meia dúzia de “bejecas” e quatro horitas nos muros da ria para contar quantos transeuntes tentam passar a ria antes de chegar à rotunda.

O Grenismo não analisa o objecto. Isso mais uma vez está encarregue aos chatos dos intelectuais. Analisa o número. Ora se Aveiro já tem 14 ou 15 pontes, mais uma menos uma, que chatice poderá dar? Aliás eu até iria mais longe e construía pontes de 50 em 50 metros e acaba-se de uma vez com o ridículo do nome, Veneza de Portugal. Podíamo-nos tornar na Enguia da Ibéria.

Para o Grenismo o único “leitmotiv” destes chatos é apenas o gosto. Todos os artigos do Arquitecto Pompilio Souto, Professor Carlos Borrego, Professor Jorge Carvalho entre outros têm um denominador comum. O gosto. Como se sabe se há conclusão a tirar em todos os textos assinados que têm saído destes autores, será a fealdade e a pueril irritação, com alguma rabugice à mistura.

O Grenismo aceita movimentos cívicos. Acha importante os “sem poder” terem atitudes politicas. Um espécie de Carnaval fora do tempo onde o povo se mascara de gente importante. Só não acha piada é que surjam agora. Agora não, que a direita não precisa. Deviam ter surgido há uns anitos ou esperado por um poder local de esquerda para chatear. Para mais, os Amigos d’Avenida cheiram a plano terrorista para candidato aparecer. Cheiram, porque o povo não se manifesta assim. Aceita o que lhe dão e assim é que deve ser. E a conclusão é óbvia. Depois de umas horitas na esplanada, qualquer pessoa pode ficar a saber o facto histórico comprovadíssimo. Quando a direita tem poder, a esquerda organiza grupos para ataques à vítima. É claro que os últimos 1500 anos não contam. Aliás, nem se pode observa-los.

O Grenismo afirma que a discussão compromete acção. Mas se fecharmos os olhos e sairmos das esplanadas, talvez, tal como em Platão e a sua caverna, podemos aprender que em cada área existe uma especialização e esta deve ser ouvida e equacionada. Pior do que não respeitar o tempo legal de discussão é faltar ao respeito a quem dedica uma vida na causa de uma determinada área.

Muito mais se podia dizer sobre o Grenismo. O último relatório de contas que transparece a organização das contas públicas, ou Teatro Aveirense cujo propósito da sua continuação está directamente ligado com a capacidade de chupar uns dinheiros ao Ministério da Cultura.

No fundo em tempo de futebol, o discurso está articulado. O Grenismo é uma amálgama de pensamentos de “clube”, sem qualquer profundidade. O que preocupa, é que nós os chatos, trabalhamos fora de esplanadas, fora do que parece e tal como Galileu discutimos o facto. O facto compreende objectivo.

Depois de ler a entrevista fiquei com receio do voltar do “Se não estás comigo?”, de Estaline. Melhores referências precisam-se.

Tenho medo, tenho muito medo…

Joaquim Pavão



publicado por amigosdavenida às 21:46 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 02.06.10

A propósito da questão levantada pelo Arq.º José Quintão (ver comentário ao post anterior), relativamente ao facto do PdS alterar ou não o Plano de Urbanização do Pólis, como poderá constatar pela imagem a Ponte Pedonal do Canal Central e a nova via rodoviária pelo Alboi não estão previstas no PU do Pólis.

Se no segundo caso a avaliação é mais difícil de produzir, no primeiro, que prevê uma localização diferente para a Ponte Pedonal, o conhecimento técnico-científico (essencialmente jurídico) sobre a matéria confirma essa tese.

De qualquer forma, nada melhor que solicitar um parecer à CCDRC sobre esta matéria para se dissiparem todas as dúvidas.

José Carlos Mota

 



publicado por amigosdavenida às 13:14 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 20.05.10

Para além da Ponte Pedonal e de todos os projectos do Parque da Sustentabilidade a Câmara Municipal aprovou hoje uma proposta para a Praça Melo Freitas à Audiodecor por cinco anos (Notícia OLN). Como é possível que este conjunto de decisões que vão marcar o futuro da cidade não tenha sido precedido de qualquer iniciativa de explicação pública por parte dos responsáveis?

JCM



publicado por JCM às 19:07 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 29.03.10

'A Universidade de Aveiro, através do seu Mestrado em Planeamento Regional e Urbano promove um curso intensivo que assume a forma de concurso de ideias para a regeneração do centro da cidade de Aveiro. Sob o título «Avenida Lourenço Peixinho, Beira-Mar e Rossio - Que Futuro?», este programa intensivo arranca dia 5 de Maio e dirige-se fundamentalmente a alunos finalistas do 1º ciclo do Ensino Superior. As inscrições estão abertas até 30 de Abril'.

Mais informações aqui



publicado por JCM às 13:17 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 24.07.09

 Artigo aqui!



publicado por amigosdavenida às 17:24 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13.07.09

http://www.applaneadores.pt/

 

A Universidade de Aveiro, a Associação Portuguesa de Planeadores do Território, a Câ­mara Municipal de Aveiro, o Núcleo de Arquitectos de Aveiro e a Delegação Distrital de Aveiro da Ordem dos Engenheiros, com o apoio do Diário de Aveiro, juntam-se na orga­nização de Conversas sobre o Território.

 

Quando? Às 3ªs Feiras

De quanto em quanto tempo? De 2 em 2 meses

Horário? 14h30 - 18h00

Onde? Biblioteca Municipal de Aveiro

Público-alvo? Comunidade académica e profissional, todos os cidadãos com interesse na matéria

Quanto? 5€ por conversa

 

Programa:

 

1ª Conversa dia 14 de Julho: A questão da Habitação

Moderador: Jorge Carvalho (Urbanista, Prof. Associado Convidado na UA)

Oradores: Fátima Matos (Prof. Auxiliar de Departamento Geografia da FLUP) - “Necessidades Habitacionais e Política Habitacional - Uma visão das propostas do Plano Estratégico da Habita­ção 2008-2013” e Sheila Holz (Licenciada em Direito, especialização em Direito do Urbanismo, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas. A concluir o Mestrado em Planeamento Territorial - Ordenamento da Cidade (UA)) - Tese de Mestrado - “O Direito à Habitação no Brasil (legislação recente)”

 

2ª Conversa dia 29 Setembro: Planeamento enquanto Processo

Moderador: Ângela Fernandes (Presidente da Associação Portuguesa de Planeadores do Território)

Oradores: Rui Loza (Arquitecto, Director Regional do IHRU, Administrador da Porto Vivo - SRU, Prof. Auxiliar Convidado da UA) e Carlos Martins (Economista e Consultor) - “O Planeamento enquanto Processo: o Processo de Planeamento do Centro Histórico do Porto, Património Mundial”



publicado por amigosdavenida às 00:08 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 16.06.09

O presidente Sarkozy lançou um concurso a 10 consultores para pensarem o futuro da cidade de Paris (Le Grand Paris). São dez visões diferentes sobre o mesmo território. As propostas estão agora expostas na Cité de l'Architecture et du PatrimoineVeja as fotografias da exposição dos trabalhos, os dossiers temáticos e a apresentação das várias propostas pelos seus autores.

 

 

 



publicado por amigosdavenida às 23:04 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 05.06.09

 Notícia Diário de Aveiro

Fernando Nogueira, vice-presidente da APPLA: “O debate tende a ser pequenino e paroquial”
 
O vice-presidente da APPLA adverte que “o debate é demasiado elitista” e “demasiado centrado na massa cinzenta tecnicista”. “Devia fugir daí”, afirma Fernando Nogueira

A APPLA nasceu em 1993. Como tem sido o percurso da instituição? 
A APPLA é basicamente uma associação de profissionais ligados ao planeamento do território. À data da criação da licenciatura de Planeamento Regional e Urbano não havia no país nenhuma licenciatura na área. O planeamento era visto como uma especialização no campo de áreas como engenharia ou arquitectura. Não havia o conceito de planeador como formação específica e ainda é um problema do nosso enquadramento profissional. É difícil às pessoas conceberem que um planeador tem saberes específicos, porque normalmente é visto como um generalista sem saberes próprios. Há uma tentativa por parte das profissões mais instaladas de controlar o mercado e fazer aquilo que os planeadores – desde 1935 ou 1940, não em Portugal mas no geral – têm tentado introduzir.

Está a falar dos arquitectos? 
Dos arquitectos e dos engenheiros. O planeamento nasceu nas mãos de arquitectos e engenheiros. A função do planeamento era desenhar a cidade, que era um acto de rasgo criativo. O planeamento quis conservar a ideia de utopia, mas à medida que foi evoluindo percebeu-se que não podíamos resolver os problemas todos da cidade a partir da forma física, das estruturas e da organização do espaço. Hoje estamos sentados com outras associações para tentarmos constituir a Ordem dos Urbanistas e pretende-se que os urbanistas sejam vistos de acordo com os novos princípios do planeamento territorial, que se afastam um pouco da ideia de determinismo físico. Mas não tem sido fácil. A cidade não é uma coisa que se resolve simplesmente a partir da técnica, é um conjunto de interesses e de cidadãos que têm de sentir que o que se quer fazer pela cidade responde aos seus anseios. Isto é uma coisa que tem alguma dificuldade em entrar na cabeça de pessoas que estão habituadas a projectar. O acto de planear é político, tem efeitos que distribuem desigualmente os benefícios e os custos. 

A APPLA nasceu para vincar essa ideia? 
A APPLA nasceu para dar voz a um grupo de profissionais relativamente marginal. Felizmente apareceram depois outras licenciaturas noutras universidades que vieram dar força a esta, que paradoxalmente já não existe: foi a primeira mas foi fechada por falta de procura. Felizmente manteve-se o segundo ciclo e haverá um terceiro muito em breve. A APPLA ficou como receptáculo deste conjunto de profissionais. Teve uma existência um bocadinho conturbada, não foi fácil mantê-la e vivemos ainda à sombra da Universidade, umas vezes com mais conflito e outras vezes com menos… A associação ganhou entretanto alguma visibilidade e dinâmica. Aveiro deve ser a cidade com mais planeadores do território… 
(Ler entrevista completa na edição em papel) 

Maria José Santana e Rui Cunha 



publicado por amigosdavenida às 00:16 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 17.05.09

A Murtosa é um interessante caso de estudo para a temática da bicicleta.

O projecto "Murtosa Ciclável", desenvolvido pela Universidade de Aveiro no âmbito do Projecto da Mobilidade Sustentável promovido pela Agência Portuguesa do Ambiente , foi apresentado recentemente em dois colóquios científicos internacionais - Newcastle 27ABR09 - European Module on Spatial Development Planning e Porto 15MAI09 - "Planning in times of uncertainty".

Mais informações aqui - http://murtosaciclavel.blogs.sapo.pt/15148.html



publicado por amigosdavenida às 21:51 | link do post | comentar | favorito


SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
VISITAS
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
FOLLOW
G. Analytics
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
MAPA
Facebook
Partilhar
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008