Quarta-feira, 18.09.13

 

Sal de Aveiro

uma iniciativa da Associação Comercial de Aveiro em colaboração com a Universidade de Aveiro e outros actores locais


http://saldeaveiro.blogs.sapo.pt/

https://www.facebook.com/pages/Sal-de-Aveiro/516653328412434


tags: ,

publicado por JCM às 00:39 | link do post | comentar | favorito

Uma reflexão sobre o potencial do 'Sal de Aveiro' produzida com o Jorge M. Pinho Silva e Ricardo Videira da Associação Comercial de Aveiro e apresentada hoje no Workshop do Projecto internacional AQUA-ADD (http://www.aqua-add.eu/).



Aveiro Salt Cluster from SaldeAveiro

tags: ,

publicado por JCM às 00:36 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 01.08.13



Ideias # Rede de Cidades do Sal

Divulgue 
Em defesa dos antigos armazéns de sal de Aveiro
https://www.facebook.com/AntigosArmazensDeSal


tags: ,

publicado por JCM às 21:35 | link do post | comentar | favorito

Estive esta semana em Coimbra na Direcção Regional da Cultura do Centro (DRCC) a consultar o processo de desclassificação dos antigos armazéns de sal (está disponível para consulta pública).

Do que pude constatar, a decisão de propor a revogação da classificação ocorreu na sequência de avaliação sobre a delimitação das Zonas Especiais de Protecção de vários imóveis classificados de Aveiro que a DRCC esteve a fazer recentemente (julgo que em 2012). No caso presente, e após essa avaliação, foi a própria autarquia de Aveiro que solicitou a revogação da classificação por ter entendido que esta era excessiva, pois condicionava a ocupação da zona urbana envolvente, e pelo facto de alguns dos imóveis em causa estarem muito degradados e na eminência de ruína.

Deixo dois comentários. Por um lado, não deixa de ser estranho que a alegação seja usada em causa própria (isto é, parte da responsabilidade do sucedido é pública, municipal). Por outro, que da tentativa de classificação como Imóvel de Interesse Público resulte, anos depois, o contrário do desejado, a sua destruição.

A partir daqui julgo que temos de evitar centrar a discussão na procura de atribuição da culpa e procurar encontrar novos caminhos. Que saídas então?

Um primeiro caminho poderia passar por perceber as razões que levaram à situação actual, algumas já apontadas por Alberto Souto, nomeadamente a crise da economia salífera e a dificuldade de investimento dos seus proprietários. No caso do palheiro municipal, talvez valesse a pena perguntar a razão porque se deixou chegar aquele estado um imóvel com tal importância e significado e já agora qual era o novo uso que lhe estava destinado. Mas outra das razões tem a ver a fragilidade da medida de preservação do património meramente através de classificação legal.

Um segundo caminho deveria centrar-se na procura de novas modalidades de valorização e preservação dos antigos armazéns de sal nas suas múltiplas dimensões. Admito que não é fácil responder a este desafio, mas talvez valesse a pena explorar duas vias. Uma que passe pela organização da memória do sal (fazer um esforço de registo, organização e divulgação do vasto espólio sobre o sal, envolvendo antigos marnotos, suas famílias, produtores e proprietários; dirigido a vários públicos, desde o escolar, comunidade mais próxima e visitantes), outra pela dinamização das actividades económicas, sociais e culturais que se têm vindo a desenvolver recentemente à volta do sal e da ria. Talvez estas duas vias ofereçam os programas e actividades necessários para dar uma nova vida aos antigos palheiros (envolvendo proprietários (*), antigos mestres da construção dos palheiros (**), novos empreendedores e, claro, a autarquia) ou para a sua reinvenção. 

José Carlos Mota

 (*) também neste caso com devido cuidado de registo de processo construtivo para memória futura

 


tags: ,

publicado por JCM às 10:52 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 28.07.13

Dois conjuntos de palheiros localizados no Canal de S. Roque (um dos imóveis, o da fotografia, é propriedade municipal) estão em risco de perder a classificação de Imóvel de Interesse Nacional pelo facto de estarem em muito mau estado de conservação (mais informação aqui http://sal.blogs.sapo.pt/2050.html). Com base no parecer da Direcção Geral do Património Cultural, que recomenda o fim da classificação, está a decorrer até ao dia 9 de Agosto um período de audição dos interessados que permite aos cidadãos e organizações pronunciarem-se sobre a decisão. Perante o estado dos palheiros será muito difícil argumentar contra a perda da classificação, que a CMA aparentemente já validou. É fundamental, no entanto, perceber que consequências terá a eventual perda de classificação, que novas regras de transformação urbana deverão ser definidas para os palheiros e terrenos onde estes se localizam (e já agora para a frente urbana do Canal de S. Roque) e qual o futuro desejado para o imóvel de propriedade municipal (que se encontra no estado que a imagem mostra).

 

Em defesa dos antigos armazéns de sal de Aveiro
http://sal.blogs.sapo.pt/ 
https://www.facebook.com/AntigosArmazensDeSal
AntigosArmazensDeSal@gmail.com


tags: ,

publicado por JCM às 23:42 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 27.07.13

 

 


Em defesa dos antigos armazéns de sal de Aveiro
https://www.facebook.com/AntigosArmazensDeSal

http://sal.blogs.sapo.pt/

 

Se quiser colaborar com esta causa ou se tiver documentos fotográficos ou estudos sobre os armazéns de sal em Aveiro que queira partilhar, entre em contacto connosco através do email AntigosArmazensDeSal@gmail.com.


tags: ,

publicado por JCM às 10:48 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 26.07.13

DIVULGUE ESTA CAUSA!

Em defesa dos antigos armazéns de sal de Aveiro
https://www.facebook.com/AntigosArmazensDeSal

 


tags: ,

publicado por JCM às 22:54 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 24.07.13

 

 

http://sal.blogs.sapo.pt/


tags: ,

publicado por JCM às 18:57 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 23.07.13

 

 

http://sal.blogs.sapo.pt/

 

https://www.facebook.com/AntigosArmazensDeSal

 

AntigosArmazensDeSal@gmail.com


tags:

publicado por JCM às 15:30 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 22.07.13

A D.ª Maria viveu neste antigo armazém de sal durante muitos anos. Veio para aqui com os pais, fez a escola primária e mais tarde casou. A sua família tinha arrendado o primeiro andar, enquanto o piso térreo se mantinha como armazém de sal. Investiu com o seu marido muito esforço na manutenção do palheiro, construído com fundações fortes e bem revestido a madeira. Sonhavam um dia adquirir o imóvel, para iniciar actividade por conta própria, mas tal não se concretizou porque a autarquia de Aveiro fez primeiro o negócio. A família Neves acabou por abrir negócio uns palheiros abaixo e, apesar das vicissitudes, ainda hoje se mantém na 'arte do sal'. Lamenta que o reduzido número de marinhas e o tempo instável reduzam a produção local e os obrigue a importar sal, de França ou Espanha. Sofre muito com o desmazelo do ‘seu’ palheiro, tornado de todos ‘nós’. Não compreende, provavelmente como muitos marnotos, como é que ‘nós’ deixámos que tal acontecesse... 

JCM

«Em defesa dos Armazéns de Sal»
https://www.facebook.com/AntigosArmazensDeSal



publicado por JCM às 22:38 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 27.10.11


tags: ,

publicado por JCM às 17:16 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 31.03.09

(fonte)

Desafio

A exploração de sal é uma actividade muito antiga em Aveiro. "Suis terras in Alauario et Salinas" é a primeira referência conhecida de Aveiro. Data de 959. Desde sempre habituámo-nos à presença na paisagem aveirense de montes de sal acumulado junto às salinas.

Contudo, estes montes têm diminuído ao longo dos anos. No século XV existiam cerca de 500 marinhas na Ria de Aveiro; há cerca de 50 anos, cerca de 270 marinhas produziam sal e no ano de 2006, apenas 8 marinhas estavam em exploração.

Mas o sal de Aveiro é, hoje, “muito mais do que sal”. Além da sua larga utilização na alimentação humana, é a base para outros produtos da cosmética e da higiene corporal -  sabão e sais de banho. E poderá ser muito mais…

A 3ª edição da Feira de Sal de Aveiro irá decorrer nos dias 18, 19 e 20 de Julho, das, 10.00 às 19.00 horas, no Largo do Mercado Manuel Firmino.

No sentido de complementar este evento e de sensibilizar as pessoas para a actividade do sal tradicional de Aveiro, que “sal” podem os Amigosd´Avenida colocar na Praça Joaquim Melo de Freitas no sábado? Dê-nos a sua ideia.

Raquel Dora Pinho

 

Sabia que:

 

O sal de Aveiro, a par com o salgado de três países, pode estar a um passo de ser reconhecido com a Indicação Geográfica Protegida e Denominação de Origem Protegida.

A Associação de Produtores e Marnotos da Ria de Aveiro tem também em mente um plano para aumentar a produção de sal tradicional para as 10 toneladas por ano.

(Fonte)

 

Existe a canção “Sal de Aveiro", composta pelo Prof. Severino Vieira, ainda hoje cantada pelos grupos culturais da cidade:

 

 

Oh linda ria de Aveiro

 

De beleza sem igual

Dás à cidade o letreiro

Veneza de Portugal!

Para matar o desgosto

 

Que ao coração nos traz mágoas

Vamos mirar nosso rosto

No espelho das tuas águas...

SAL DE AVEIRO, SAL DE AVEIRO

 

DE TODOS O MELHOR SAL!

SAL DE AVEIRO ÉS O PRIMEIRO

O MELHOR DE PORTUGAL!

Nós somos da beira-mar,

 

Vivemos ao pé da ria

Nela sempre a lutar

Pelo pão de cada dia...

Sal de Aveiro é o produto

 

Do nosso intenso lidar...

Sal de Aveiro é o fruto

Dos homens da beira-mar!

(Fonte)



tags: ,

publicado por amigosdavenida às 00:21 | link do post | comentar | favorito


SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
VISITAS
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
FOLLOW
G. Analytics
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
MAPA
Facebook
Partilhar
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008