Terça-feira, 17 de Março de 2009

(artigo publicado no Diário de Aveiro)

 

O luto desce sobre Aveiro

José Eduardo Rebelo

professor universitário

presidente da APELO

rebelo@apelo.pt

Uma tragédia pungente abateu-se sobre a comunidade aveirense. Um pai, certamente tão extremoso como todos os que investem no seu futuro da forma mais generosa que nos é dada a conhecer, a dádiva de uma criança, vê-se perseguido pela maior sentença que alguma vez fora incapaz de imaginar: a culpa pela morte do seu filho.

Aos aveirenses é exigida uma resposta rápida e eficaz. É necessário apoiar com todos os meios disponíveis o pai, a mãe e a menina que é a luz dos seus olhos. Para esta família jovem, que mergulhou num muito longo caminho de dor e sofrimento, temos que criar um espaço onde possa exprimir o desespero, a angústia, a raiva, o desabamento e o desnorte, mesmo em relação à própria vida, que irremediavelmente os acomete.

Será indecoroso que façamos qualquer juízo de valor sobre o comportamento distraído do pai ou sobre a fúria inconsolável da mãe. Muito pelo contrário, disponhamo-nos a ouvir sem cessar os seus clamores, as suas dúvidas aflitas, as suas persistentes lamúrias, não tentemos, nunca, opor-nos às expressões de dor e sofrimento que irão manifestar. Se nos sentirmos incomodados, não são eles que estão errados, somos nós. Já lhes basta a desgraça do seu penar, não necessitam de juízes que lhes apliquem outras penas.

Passado o choque que alertou o maior dos nossos medos sociais, a perda dos filhos, não podemos ostracizar este pai e esta mãe em luto, vamos aconchegá-los com o carinho e o calor humano que só de nós pode irradiar. Perguntará o leitor, mas como? O que lhes vou dizer? Como os posso ajudar?

A resposta é simples, embora a sua prática seja bem mais complexa. Teremos que nos preparar bastante bem porque a jornada será longa e dura, todavia incomensuravelmente compensadora. Sentiremos, neste gesto de dádiva, muito mais pulsar de vida do que a que já experimentámos anteriormente, pois é nos grandes terramotos da existência que aprendemos a distinguir o essencial do acessório, afinal, os alicerces que nortearão a dignidade da nossa conduta futura.

Vejamos, então, como apoiar estes pais em luto. Primeiro, devemos marcar a nossa presença; não de modo formal e aparente, restringindo-nos à expressão das condolências, mas fazendo com que sintam que não só não estão como não mais deixarão de estar sozinhos no seu sofrimento. Seremos, sempre, aquele ombro amigo em que se poderão apoiar para recuperar da exaustão provocada pelas suas tormentas.

A segunda condição é a da nossa disposição para ouvir, praticamente apenas ouvir. Os pais irão falar sem cessar do seu bebé, da sua incompreensão sobre a causa do sucedido e porque tinha de acontecer isto aquele inocente e a eles. E continuarão a necessitar de ser ouvidos em relação a imensas interrogações para as quais não existe uma resposta. Temos de as ouvir e de nem sequer tentar alvitrar o que quer que seja, apenas fazermos sentir que escutaremos tudo, mesmo o que nos seja doloroso, sem nunca lhes responder: “Não chores! Tem coragem! Ainda tens uma menina que precisa muito de ti! Ainda são novos! Poderão ter outro filho!”. E por aí adiante, num chorrilho de frases inoportunas que achamos serem as mais adequadas, com que enchemos os ouvidos de quem precisa de falar e não ouvir. Além disso, com estas palavras “piedosas” e “bons conselhos” provocamos a raiva de quem necessita de manter “vivo” o seu filho único, pois por mais filhos que tenhamos, cada um deles é único para nós.

A terceira atitude que devemos assumir é a de não censurar os actos dos pais em luto, quaisquer que eles sejam, por mais bizarros e indecorosos que nos possam parecer. É um turbilhão de emoções, um tsunami, que dita os passos de infelicidade destes pais. A razão está posta de lado, e assim permanecerá longamente, pelo que a ânsia de recuperar o irremediavelmente perdido levará os pais por caminhos escusos, que julgam de esperança. Apesar de os olhos lhes terem revelado a morte, ainda é muito cedo para o coração a aceitar, pelo que perseguirão obstinadamente o que continua a ser uma parte significativa da essência das suas vidas, não escolhendo caminhos.

Finalmente, vamos libertá-los de peias jurídicas e administrativas e entregá-los ao luto, às intensas vivências emocionais que se deparam diante de si. O acaso, Deus ou a natureza, consoante a filosofia com que nos guiamos pelo mundo, determinou o desfecho tão precoce de uma vida e obscureceu por alguns anos o brilhante fulgor desta encantadora família. Não nos apressemos a onerar o que, já de si, tem uma dimensão horrível; vamos, isso sim, aliviar a carga medonha que sobre estes pais se abate.

Há uma resposta solidária exigida à cidade de Aveiro: mãos à obra.


tags: ,

publicado por amigosdavenida às 18:13 | link do post | favorito

De Susana Tavares a 21 de Março de 2009 às 10:16
Fantástico, Professor Rebelo, este texto! De facto, o mais importante é apoiar esta família que muito sofre... De que valerá julgar este pai? De que valerá condená-lo? Maior cruz do que aquela que ele carrega não há...
Deixo aqui a certeza da minha oração pelo pequeno João, mas também pelos seus pais e maninha, para que eles possam atenuar esta perda e encontrar uns nos outros o consolo que lhes permita olhar a VIDA e aceitar a MORTE do seu pequenino. Bem-haja.


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008