Quinta-feira, 30 de Abril de 2009

(artigo publicado no Diário de Aveiro)


Será a arte notícia? Esta dúvida coloca-se sempre, quando começo a tentar escrever sobre este assunto. A arte é para se ver, para se sentir, para viver connosco paredes meias com uma série de objectos, mais ou menos inúteis, que vamos juntando ao longo da vida. Escrever sobre ela é um pouco como falar aos outros das aventuras de uma viagem que só nós vivemos.

Decidir mostrá-la publicamente, pode ser um acto de coragem e partilha, e só isso bastaria para louvar todas as Galarias de Arte que teimam em existir nas nossas cidades. Confesso que há alguns anos as Galerias de Arte eram por mim sentidas como espaços fechados, que me inibiam de entrar. Hoje, são habitualmente locais mais descontraídos onde toda agente pode entrar, cliente ou utente (ou serei eu que mudei?).

Ao escrever sobre este assunto gostaria de dar a conhecer, e incentivar a visitar, as Galerias de Arte como atitude cultural de um cidadão, mesmo que este sinta que não percebe nada de arte.

A “Má arte” é um “estúdio transparente onde produzem e mostram criações artísticas”. Tudo tem que ter um nome, e a escolha desta denominação tem colado um rótulo de provocação, que é comum em muita da (melhor) actividade artística contemporânea.

A “Má arte” é um “projecto situado no n.º 101 da Rua Dr. Alberto Soares Machado, ocupa um espaço de 340m2 organizado em 2 pisos onde os membros do colectivo desenvolvem o seu trabalho quotidiano, na área da fotografia, vídeo e pintura. Este é um espaço privado, mas interactivo com o exterior, observando o que se passa à sua volta, mostrando os resultados da sua actividade em diálogo com outros projectos.

O espaço multidisciplinar aloja estúdios, uma zona para processamento e impressão de imagem digital, áreas de exposição que permitirão realizar exposições e organizar oficinas de formação em fotografia e pintura.”

Não fique o leitor convencido que neste local pode observar os artesãos artistas pintando, fotografando, cantarolando, enfim produzindo o seu trabalho, como quem faz queijo da serra. Existe realmente uma socialização dos locais de trabalho dos criadores artísticos, que se vai abrindo à participação exterior em actividades diversas. A proximidade dos locais de produção aos de exposição e divulgação das obras faz lembrar os estúdios clássicos onde os velhos mestres realizavam e vendiam os seus trabalhos.

As potencialidades expositivas deste espaço têm sido exploradas tendo, por exemplo, sido possível ver trabalhos do fotógrafo João Leal, das séries “My own place” e “Endless”. Em “My own place”, “partindo do pressuposto que a fotografia pode ser vista como uma “máquina de medir o tempo”, as imagens servem de “leitmotifs” para a realização de buscas “fast forward” e “fast rewind” no “mecanismo” cerebral. No entanto, a medição do tempo baralha-se. As referências dadas são contraditórias. Em Roma a memória do passado impõe-se de uma forma majestática

Esta galeria vai contribuir para juntar “algo” ao trabalho militante (histórico) que a família Sacramento tem vindo a fazer na promoção e divulgação da arte em Aveiro. A procura de mais valias culturais será muito mais efectiva quando assente na realidade, do que emanado de um modelo teórico. A “Má arte” vem

dar um contributo importante à vida cultural da cidade e em particular desta zona porque nela já existiam as galerias Sacramento, a Kompassus, e a Bau Uau (que é muito mais do que uma excelente loja…).

È fundamental que os responsáveis da cultura apoiem estas iniciativas e que criem condições para que as iniciativas dos cidadãos floresçam e se multipliquem. Não, não estou a falar do subsídio dependência. Existem muitas outras formas de apoio que dignificam todos os participantes no processo artístico; os que produzem as obras e os que as fazem chegar às pessoas.

Não estão a ver como?

É exactamente por isso que as políticas de promoção cultural são diferentes em função das pessoas e dos programas de quem se apresenta à direcção da sua cidade.

 

Em silêncio descobri essa cidade no mapa
a toda a velocidade: gota
sombria. Descobri as poeiras que batiam
como peixes no sangue.
A toda a velocidade, em silêncio, no mapa -
como se descobre uma letra
de outra cor no meio das folhas,
estremecendo nos olmos, em silêncio. Gota
sombria num girassol. -
essa letra, essa cidade em silêncio,
batendo como sangue.

Helberto Helder (EM SILÊNCIO DESCOBRI ESSA CIDADE NO MAPA)


tags: ,

publicado por amigosdavenida às 23:54 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008