Terça-feira, 8 de Junho de 2010

Gostaria antes de mais, agradecer a entrevista do Sr. Jorge Greno. Numa altura em que se discute o rigor na escola pública, o papel do cidadão na construção da sua identidade, da identidade do espaço onde habita, a especialização profissionalizada da sociedade activa e desespera-se por novos modelos onde o capitalismo não fique refém de si próprio, eis que o Sr. Jorge Greno propõe uma “nova” abordagem que num primeiro olhar pessoal chamarei de Grenismo.

O Grenismo foi então buscar à escola sofistica as bases do sistema que propõe. Alterna o empirismo pré-socrático com a objectivação de Patton. Mas, vamos a factos. Estes nada empíricos, como velho do Restelo, antiquado ou mesmo "agente de agenda politica escondida" que sou.

O Grenismo não entende os chatos intelectuais. E a prova está à vista, aliás a olho nú. Duas horitas numa esplanada e “voilá”, estudo prévio realizado. Conclusão assinada e nem vale a pena perder tempo com os senhores, urbanistas, arquitectos, engenheiros e outros tantos “lobbies” locais que como espiões infiltrados, tentam planear um golpe politico ao perder tempo analisando dados, estudando soluções e concedendo alternativas no mínimo demasiados complexas porque o olho não mente. Qual Galileu, qual quê! Este assunto apenas é de opinião. Não necessita de mais! Aliás, fico desde já disponível para meia dúzia de “bejecas” e quatro horitas nos muros da ria para contar quantos transeuntes tentam passar a ria antes de chegar à rotunda.

O Grenismo não analisa o objecto. Isso mais uma vez está encarregue aos chatos dos intelectuais. Analisa o número. Ora se Aveiro já tem 14 ou 15 pontes, mais uma menos uma, que chatice poderá dar? Aliás eu até iria mais longe e construía pontes de 50 em 50 metros e acaba-se de uma vez com o ridículo do nome, Veneza de Portugal. Podíamo-nos tornar na Enguia da Ibéria.

Para o Grenismo o único “leitmotiv” destes chatos é apenas o gosto. Todos os artigos do Arquitecto Pompilio Souto, Professor Carlos Borrego, Professor Jorge Carvalho entre outros têm um denominador comum. O gosto. Como se sabe se há conclusão a tirar em todos os textos assinados que têm saído destes autores, será a fealdade e a pueril irritação, com alguma rabugice à mistura.

O Grenismo aceita movimentos cívicos. Acha importante os “sem poder” terem atitudes politicas. Um espécie de Carnaval fora do tempo onde o povo se mascara de gente importante. Só não acha piada é que surjam agora. Agora não, que a direita não precisa. Deviam ter surgido há uns anitos ou esperado por um poder local de esquerda para chatear. Para mais, os Amigos d’Avenida cheiram a plano terrorista para candidato aparecer. Cheiram, porque o povo não se manifesta assim. Aceita o que lhe dão e assim é que deve ser. E a conclusão é óbvia. Depois de umas horitas na esplanada, qualquer pessoa pode ficar a saber o facto histórico comprovadíssimo. Quando a direita tem poder, a esquerda organiza grupos para ataques à vítima. É claro que os últimos 1500 anos não contam. Aliás, nem se pode observa-los.

O Grenismo afirma que a discussão compromete acção. Mas se fecharmos os olhos e sairmos das esplanadas, talvez, tal como em Platão e a sua caverna, podemos aprender que em cada área existe uma especialização e esta deve ser ouvida e equacionada. Pior do que não respeitar o tempo legal de discussão é faltar ao respeito a quem dedica uma vida na causa de uma determinada área.

Muito mais se podia dizer sobre o Grenismo. O último relatório de contas que transparece a organização das contas públicas, ou Teatro Aveirense cujo propósito da sua continuação está directamente ligado com a capacidade de chupar uns dinheiros ao Ministério da Cultura.

No fundo em tempo de futebol, o discurso está articulado. O Grenismo é uma amálgama de pensamentos de “clube”, sem qualquer profundidade. O que preocupa, é que nós os chatos, trabalhamos fora de esplanadas, fora do que parece e tal como Galileu discutimos o facto. O facto compreende objectivo.

Depois de ler a entrevista fiquei com receio do voltar do “Se não estás comigo?”, de Estaline. Melhores referências precisam-se.

Tenho medo, tenho muito medo…

Joaquim Pavão



publicado por amigosdavenida às 21:46 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008