Quarta-feira, 25 de Maio de 2011

O futuro não se prevê, constrói-se, recordava o Professor João Ferrão numa conferência realizada há dois anos no Porto sob o tema "Planning in times of uncertainty".

Dizia, na altura, que num momento de particular dificuldade a nível nacional e global urge, de facto, equacionar os meios adequados para construir colectivamente melhores respostas para os problemas das nossas cidades.

Decorrente da sua experiência governativa, o Professor João Ferrão recomendava também que se levasse mais ‘inteligência colectiva’ para os processos de decisão, apostando nos instrumentos que estão relacionadas com a democracia deliberativa de forma a combater duas culturas perniciosas: a 'ingenuidade tecnocrática' e o 'autoritarismo iluminista'.

Acrescentava ainda que a experiência de aprofundamento da democracia deliberativa nas nossas autarquias estava longe de ser devidamente estimulada e trabalhada.

A sugestão do Professor João Ferrão, as circunstâncias actuais (que o Carlos Jalali refere no artigo publicado no Plataforma Cidades) e a realidade em Aveiro permitem tirar algumas ilações.

Primeiro, que a construção do futuro da cidade é frequentemente entendida como um exercício de fé na razão técnica, que não oferece espaço para discutir ou reflectir sobre a racionalidade dos processos e das soluções que tem produzido (o caso do Alboi é um exemplo paradigmático).

Segundo, que existe uma diferença significativa entre o discurso (‘governação participada, em que todos os seus parceiros serão interlocutores indispensáveis’; ‘as sociedades mais prósperas colocam os cidadãos como o centro da sua atenção das suas políticas’) e a prática conhecida, existindo vários exemplos que mostram que existe uma concepção redutora, mitigada e mesmo conservadora do papel dos cidadãos na vida colectiva.

Por último, que num momento difícil como o que atravessamos, de grande contenção de recursos financeiros, o governo local não tem sabido utilizar o vasto capital cívico existente, que por diversas vezes tem demonstrado querer ser um parceiro útil para encontrar melhores soluções.

As difíceis circunstâncias em que nos encontramos exigem o aprofundamento da reflexão sobre os métodos, as práticas e a cultura de governo local e o estabelecimento de um novo quadro de relacionamento entre o poder e os actores locais.

JCM



publicado por JCM às 19:04 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008