Domingo, 1 de Fevereiro de 2009

Notícia Público, Pedro Rios

 


"Nuno Grande, programador cultural na área de Arquitectura e Cidade do Porto 2001, afirma que a acção da Capital Europeia da Cultura na reabilitação de algumas artérias da cidade potenciou o aparecimento dos novos negócios ligados ao lazer, cultura e à vida nocturna. O arquitecto e docente universitário recorda que durante a Porto 2001 discutiram-se muito as recuperações do espaço público, do comércio tradicional e da habitação. Para Nuno Grande, só a primeira foi alcançada. "Os comerciantes [da altura] não perceberam o impacto que as obras iriam ter", lamenta. 

"Não é uma coincidência" que a "dinâmica" actual da Baixa aconteça em ruas que sofreram intervenções por parte da Porto 2001, argumenta. As obras de requalificação transformaram as ruas em espaços mais atractivos para os investidores, que, segundo Nuno Grande, "são pessoas sensíveis a este tipo de arquitectura, com alguma memória e que não disfarçam o carácter [original] de armazém". Mais: têm uma mentalidade diferente da do comércio tradicional, nomeadamente nos horários de funcionamento, mais adaptados à vida moderna, refere.

Críticas à Porto Vivo
O professor de Urbanismo na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto lembra o que aconteceu em "Tribeca, em Nova Iorque, no Soho, em Londres, e na Chueca, em Madrid", "bairros antigos que foram transformados numa lógica de apropriação por esta classe boémia". Nesses bairros, depois das lojas, dos cafés e dos bares, vieram novos moradores. E é neste ponto que o arquitecto considera que não estão a ser dados os passos correctos por parte da Câmara do Porto e da Porto Vivo - Sociedade de Reabilitação Urbana. "Se olharmos para estas cidades [quem habita aqueles bairros] é uma população jovem, sem compromissos familiares, famílias monoparentais, homossexuais ou [pessoas] em trânsito, que estão em Erasmus, por exemplo, que não se importam de não usar carro", diz. 
As entidades responsáveis pela reabilitação urbana não perceberam ainda que é preciso "encontrar um novo perfil de habitante da Baixa", que não se coaduna com os preços praticados no mercado imobiliário, critica. Nuno Grande sugere que se recupere apenas "o essencial nas infra-estruturas", à semelhança do que estão a fazer os empresários do lazer, sem "procurar pôr as casas aos preços de mercado", deixando parte das obras nas mãos dos habitantes. Só desta forma, defende, se pode repovoar o centro da cidade e corresponder à "muita gente nova com vontade" de ali viver". 

 

 

 


tags: ,

publicado por amigosdavenida às 11:59 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008