Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2012

Ponte NÃO

Desgraçada ponte que nem tem quem a defenda (com credibilidade)

Porque vi anunciado nos jornais, no passado dia 2, quinta-feira, fui até aos Paços do Concelho, para assistir ao debate sobre a construção, ou não, da famigerada ponte sobre o Canal Central da nossa Ria.

 Logo à partida, porque já encontrei a sala cheia quando cheguei, e porque eram pessoas conhecidas a maioria das que estavam presentes, enquanto esperava pelo início dos trabalhos dei comigo a recordar os primeiros tempos da democracia em 1974, quando se enchiam as salas de apaniguados políticos, a fim de se defenderem as costas dos chefes . Foi esta também uma luta que se travou na altura. E isto nem é uma crítica, pois até eu próprio colaborei em actos deste género. Quando havia comícios importantes, lá se faziam alguns telefonemas para uns tantos “caciques”, que se encarregavam de mandar para o local alguns autocarros de “militantes” a quem se entregavam dezenas de bandeiras para animar a encenação. E até tínhamos uma força de segurança, que  percorria o País a fim de dissuadir algumas “almas do outro mundo” que muitas das vezes iam aos comícios procurar amedrontar aqueles que se propunham ser esclarecidos. Não sei porquê, enquanto esperava, vieram-me à memória tantas destas cenas e tantos amigos que durante alguns anos contribuiram para que a democracia viesse a ser uma realidade. E contra alguns que se julgavam donos e senhores das consciências do Povo, muitos de nós conseguimos desmascarar. Tantos desses aprendizes de novos ditadores, que foram ficando desacreditados aos olhos dos portugueses! Ainda hoje por aí andam uns tantos, mas apenas fazem parte do folclore político nacional, e há muito deixaram de assustar quem quer que seja.

Ainda me lembro de partidos políticos que mandavam bêbedos para as salas das reuniões para não deixarem que ninguém falasse. Ainda me lembro de um amigo que passou uma sessão a “enfiar” cigarros após cigarros na boca de um embriagado, para que este se mantivesse um pouco calado.

Nestas coisas há sempre os que vão para agradar aos chefes, há os que vão para fazer grandes discursos para poderem garantir os tachos, e há os que são contra, mas vão tomar posição favorável, não vá o chefe ficar zangado…

E nesses anos já um tanto afastados, muitas vezes ouvíamos, incrédulos, a defesa das ideias mais estapafúrdias.

A Arma do Crime -  Pois a propósito da arma do crime - que é a ponte com que alguns pretendem assassinar o principal canal urbano da Ria - temos ouvido alguns argumentos bem ao estilo do que, de pior  se tem proferido durante estes anos.

Ponte Praia - Então não é que uma pessoa, por quem até tenho muita consideração, na tal reunião do passado dia 2, defendeu a ponte para poder ir apanhar banhos de sol ao Rossio, ela que vive mesmo na outra margem?

Ponte Tripé - E aquele outro argumento de que a ponte será um local privilegiado para os turistas tirarem fotografias de sonho? Acho que seria muito mais barato fazer o que os Berlinenses democráticos fizeram na altura do MURO. Construíram torres ao longo do muro, para que os turistas pudessem ver o que se passava do outro lado, e pudessem tirar as suas fotografias, não fotografias de sonho, mas do autêntico pesadelo a que assistíamos.

O Escorrega - E ainda outro argumento não mais estapafúrdio, de um apoiante da ponte, que diz  ser muito  perigoso ir à Ponte Praça, em que o piso é  muito escorregadio, e pode provocar acidentes . Andam tanto pelas ruas de Aveiro, que ainda não repararam que há anos que foram substituídas as pedras da calçada nas rampas da ponte, por cubos de pedra ásperos e rugosos anti-derrapantes.

Ponte Corte e Costura - E então o argumento de outro político da nossa praça, que ainda não tem uma ideia formada acerca da construção da ponte, mas opina a favor, e diz que depois se verá como fica. Tipo CORTE E COSTURA. Como quando vamos comprar um fato, e mandamos subir as calças ou apertar a cinta do casaco.

E por falar em corte e costura, não é que há quem queira subir o vão das pontes do canal do Fórum, por causa das proas dos barcos moliceiros turísticos? Não é que essa gente, alguns com responsabilidades, mas pelos vistos irresponsáveis, ainda não repararam que o vão dessas pontes é igual ao vão da Ponte Praça? Só falta que se proponham subir também a Ponte Praça! Será que ainda não repararam que os tais que mandaram fazer aquelas pontes todas, também construíram as comportas do canal de S. Roque, que, com as eclusas, permitem  regularizar o nível das águas nos canais urbanos? Será que ainda não repararam que já não temos cheias nas ruas da cidade, pois é possível regularizar as águas, até nas marés vivas? Por que será que não baixam o nível da água nos canais, o suficiente para que as proas dos barcos não sejam destruídas? Será simples e é barato, mas é necessário estar atento às coisas e conhecer os equipamentos que têm à sua disposição, mas que foi comprado por outros que tanto gostam de denegrir.

Ainda não ouvi qualquer argumento válido dos que querem e defendem a famigerada ponte. Até o argumento do técnico da Câmara que foi defender os enormes méritos do projectista, com obras por tudo quanto é sítio e em países mais desenvolvidos do que  o nosso, ainda me deixaram mais preocupado. É que em Aveiro, e para não ocupar todo o jornal, fico-me apenas por dois exemplos, que temos de preservar custe o que custar: primeiro os Ovos Moles de Aveiro. Os Ovos Moles de Aveiro são conhecidos, procurados e até imitados por todo o Portugal. Não consigo perceber porque é que a Câmara de Aveiro não investiu fortemente nos Ovos Moles na eleição das 7 maravilhas gastronómicas portuguesas, como outros fizeram e conseguiram eleger doces muito menos apreciados e conhecidos. E outro sector que a meu ver é intocável, é a nossa Ria. A Ria de Aveiro, que deve ser promovida, valorizada e cada vez mais, alindada: principalmente os canais urbanos da Ria, que verdadeiramente tornam Aveiro numa cidade única. E nos últimos anos muito se fez para  valorizar estes canais. Há uns quinze anos era impensável  termos barcos turísticos a percorrer estes canais e a circularem pelo lago da Fábrica Campos. Há uns quinze anos era impensável que viessem a Aveiro os milhares  e milhares de turistas que permanentemente por aí passam. E para isso muito contribuiu a importância que algumas Câmaras deram aos canais urbanos da  Ria nos últimos anos. Quem ainda não se lembra do cheiro nauseabundo e do aspecto afastativo do lodo à mostra no centro da cidade? Quando se quer criticar o eventual campeão da construção de pontes, deveriam ter a honestidade de reconhecer o avanço enorme que se deu no ar lavado da cidade de hoje, a começar pela Ria.

Imaginem o que seria se alguém começasse a vender Ovos Moles com as hóstias verdes, ou amarelas à Beira Mar. Seria assassinar um dos ex- líbris mais importantes de Aveiro.

Imaginem Aveiro, com o seu principal braço urbano da Ria, conspurcado por uma qualquer ponte. Seria assassinar o principal ex- líbris de que tanto nos orgulhamos. Aquele espelho de água aqui bem no centro da cidade, entre a ponte da Dobadoura e a Ponte Praça, tem de ser intocável. É muito, mas muito mais importante do que qualquer ponte. Aliás, quanto mais imponente possa ser a tal ponte, mais vem secundarizar aquele braço da Ria. Sem menosprezar as gentes de Aveiro, e aqueles que pela vida que viveram, e pelas lutas que travaram,  continuam a ser para todos nós enormes referências e fonte de inspiração, não podemos esquecer que Aveiro deve em muito o seu prestígio à nossa Ria. E aqueles que apenas conhecem a Ria de Aveiro das eclusas para dentro, a grande referência é precisamente este canal da Ria. Tapá-lo, desvalorizá-lo, secundarizá-lo, é um crime que nenhum aveirense perdoará.

 A minha grande esperança, se a famigerada ponte for para a frente, é que já nas próximas eleições sejamos capazes de escolher um presidente que se comprometa a demoli-la, e a devolver este canal aos aveirenses. E não será nada do outro mundo. Também as piscinas do Beira Mar foram construídas com dinheiros públicos, e tiveram a pouca vergonha de as destruir. Por que não destruir a ponte?

Para terminar, a partir do dia em que começarem as obras da construção de tal aberração, não vou descansar em desmascarar os seus autores. Não vou promover ninguém, pois é cedo para conhecer candidatos. Mas conheço aqueles que entendo não continuar a merecer serem autarcas na minha terra.

Aveiro 9 de Fevereiro de 2012

Domingos Cerqueira



publicado por JCM às 13:26 | link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008