Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012

A ponte que nos divide (artigo de opinião)

 

Podia falar-vos dos inúmeros problemas de Aveiro. Podia falar-vos do abandono, da degradação, do mísero estado de muitos equipamentos públicos da nossa cidade. Porém, não o vou fazer, porque isso, isso está à vista de todos.

Podia ainda falar-vos daquilo que falta no meu bairro, daquilo que falta fazer na minha rua ou do que eu queria que se fizesse à porta de minha casa. Porém, não o vou fazer, porque isso, isso seria demasiado egoísta.

Aquilo de que vos venho falar é daquilo que quero que não se faça na minha cidade. Eu não quero que se trespasse o coração de Aveiro com uma lança de betão. Eu não quero. Muita gente não quer. Porque não consigo compreender a ideia de agredir o canal central da Ria de Aveiro, na sua principal montra, entre a ponte-praça e o Rossio, com uma ponte, seja ela qual for.

Sou completamente a favor do progresso, desde que este não se faça à custa da identidade da nossa cidade. Porque é disso que estamos a falar. A imagem-chave que os aveirenses e os que visitam Aveiro guardam no seu imaginário pessoal é a incomparável beleza do espelho de água, mesmo à entrada da cidade, com os seus edifícios quase que a descansar sobre a serenidade do canal, que por sua vez os reflecte, misturando-os com o azul do céu.

São cenários idílicos com que a Natureza brindou Aveiro e que hoje em dia, em países civilizados, se consideram riquezas inestimáveis. Gostava que também fosse assim no meu país, na minha cidade. Ao invés de valorizarmos o que temos de mais único, queremos copiar obras de fachada de outros lugares. Mas está enganado quem pensa que alguém visita Aveiro para ver pontes, edifícios ou monumentos. O que as pessoas realmente apreciam é a forma como a cidade vive em harmonia com os seus canais: os varais de roupa nos Botirões ou em S. Roque, as pequenas casas-abrigo perdidas no meio das marinhas à sombra de árvores solitárias, a tranquilidade de um pôr-do-sol avermelhado na Rua da Pêga e tantos outros detalhes que não têm preço.

Somos uma cidade que tem uma relação íntima ancestral com a água, que deve ser respeitada e levada em conta pelos técnicos, que muitas vezes, desenham os seus traços e fazem as suas contas sem saírem do gabinete, sem sentirem verdadeiramente o pulsar e o viver do lugar.

E as pessoas que valorizam a identidade desta cidade sabem que a nossa maior riqueza é a Ria, que deve ser protegida, embelezada e acarinhada. Nem sempre assim foi, é certo. Tempos houve em que não passava de um estorvo pestilento a atrapalhar a circulação e o progresso. Mas, felizmente, hoje a cidade começa a corresponder ao abraço que a Ria sempre lhe deu.

O vil betão já nos bloqueou as vistas de grande parte dos nossos espelhos de água, não vamos permitir que o façam mais. Há quem queira fazer crer que agora é tarde, que nada há a fazer. Mas agora é o tempo. É sempre tempo de lutar pelo que acreditamos. Porque as gerações passadas e futuras não nos perdoariam se não o fizéssemos. Porque ainda é tempo do Sr. Presidente ouvir a cidade e ter o bom senso e a digna atitude de recuar.

Porque Aveiro é nossa e há-de ser. Aveiro é nossa até morrer.

Gustavo Vasconcelos

 

 

 

 


tags:

publicado por JCM às 14:00 | link do post | comentar | favorito

SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008