Domingo, 05.04.09

Aqui vos envio esta crónica sobre o Michael Barrett.

Convido-os a estarem presentes na inauguração desta exposição a 17 deste mês no Centro de Artes e Espectáculos da F. da Foz, pelas 18 horas.

Bom F. S. são os desejos do

José Sacramento

  

Michael Barrett Corpo azul da Figueira a Buarcos

(artigo publicado no Diário de Aveiro)

 

 

"Esta figura carismática, popular que se chamou Michael Barrett foi um pintor que, desde 1974 passou a visitar  Aveiro por longos períodos de tempo e aqui, pela sua maneira simples de ser e pela sua  simpatia, granjeou um larguíssimo número de amigos com quem conviveu e pintou em franca e sã camaradagem. Pintor exímio, autodidacta e de cariz naife, pintou Aveiro e toda a sua vasta região, durante quase trinta anos. Está representado no Museu de Aveiro com uma belíssima aguarela representando o Canal central no centro da cidade e fazendo parte de centenas de colecções de arte em todo o distrito de Aveiro.

Com uma exposição retrospectiva-antológica marcada para o próximo dia 17 no Centro de Artes e Espectáculos - CAE na Figueira da Foz, apresentamos hoje na nossa crónica semanal, um história que escrevemos para o livro-catálogo que irá ser lançado no dia da inauguração, para  relembrar aos nossos leitores, esta interessante personagem, também  um “aveirense” como ele próprio, muitas vezes se intitulou.

Grande admirador de Picasso e Matisse, descendente de pais estrangeiros, toda a vida viveu em Portugal onde veria a falecer em 2004.

Conhecemo-nos em 74. Logo a seguir ao 25 de Abril. Apresentou-nos o pintor Julio Gouveia. Na feira de artesanato de Cascais num sábado cheio de sol. Estava em tronco nu com um copo de vinho na mão e a comer.

E foi assim toda a sua vida. Uma vez perguntei-lhe: Michael , a tua vida é comer e pintar, a tua vida resume-se nisso, mais em comer ou pintar?

Mais em comer, respondeu ele a sorrir, malicioso no olhar, como ele às vezes fazia!

Michael vivia em função destas duas necessidades, para ele fundamentais. Adorava pintar e adorava comer!

Na realidade ele não sabia fazer mais nada na vida a não ser isto e, fazia-o muito bem!

Pintar era para ele tão vital e tão necessário como respirar. Estava-lhe no sangue, estava-lhe na alma!

Era visceral. Pintava exaustivamente sempre com o maior prazer que o acto de criar lhe proporcionava. Caso curioso, pintava sempre com a mão direita  e comia com a esquerda.

Nunca ligou nada à sua carreira profissional nem nunca se preocupou com a sua imagem nem com a sua promoção artistíca. Foi sempre muito simples e sem preconceitos de espécie alguma. Muito descontraido, fazia e conquistava amigos á primeira vista! Mas, individualista por natureza, gostava mais de receber do que oferecer, sendo por vezes, até, um tanto egoísta.

Para ele tudo estava bem, o que era importante era viver o dia a dia. Sem grandes preocupações nem responsabilidades. Chegou mesmo a recusar alguns bons contratos que lhe dariam paz e tranquilidade económica mas, ele sempre os recusava.

Nunca se quiz profissionalizar nem nunca o vi zangado com ninguém.

Às vezes queixava-se mas, era quando tinha alguma “encomenda” que não lhe agradava muito pintar mas, dava-lhe jeito para o sustento da família.

Nunca foi rico nem apegado a coisas supérfulas mas, gostava de oferecer flores às senhoras.

Era rico de espírito, de vivências, de amizades, a todos tratava por tu desde a primeira hora. Adorava a noite e beber um copo com os amigos.

Sempre o conheci de pêra e bigode quichotescos que manteve toda a vida bem como um cabelo prateado e comprido.

Simpático e com boa figura, a todos agradava com o seu sorriso e o seu charme da mistura de sangue inglês da mãe e de francês do pai. Uma mistura que assentava muito bem no nosso querido Michael, com uma loucura saudável só digna de um génio como ele.

Tão vincada e forte foi a sua personalidade que ainda hoje, não nos habituamos à sua perda.

Às vezes dá-nos a sensação de que foi fazer uma viagem e que vem daqui a um bocado…

Ainda estamos à espera dele…

 

Não resisto em contar um pequeno episódio que se passou há largos anos numa fábrica da zona industrial de Ílhavo que o Dr. Mário Soares, na altura Presidente da República veio inaugurar, precisamente a 12 de Julho de 1986. Lembro-me dele ter chegado à fábrica de helicópetro.

Para a inauguração preparei uma exposição com cerca de 30 telas sobre o poeta Fernado Pessoa que se intitulava “Retratos polémicos do Fernando imagens do impossível”, com os títulos dos quadros, tais como: “Ventriloquo”, um menino ao colo de Pessoa; “Fernando, o definitivo encontro”, o mostrengo atacando o homem do leme; “Heterónimo secreto”; “O outro lado do Fernando”; “O meu outro eu”, Fernando Pessoa vestido de travesti e com ligas pretas; “Fernando ao espelho”, Fernando Pessoa de frente a um espelho com uma estola ao pescoço, entre outros quadros.

Obras que o Dr. Mário Soares apreciou com muita calma, uma a uma, comigo como cicerone, seguido pelo pintor, pelo Presidente da fábrica e por um larguíssimo leque de convidados.

Culto e conhecedor como é de artes plásticas, Mário Soares que tinha chegado à uma semana de Londres de uma visita ao atelier da pintora Paula Rego, perguntava por onde tinha andado tal pintor que não o conhecia, mas que tinha uma obra tão boa, tão interessante e com tanta qualidade?

Michael respondeu: tenho andado por aí a pintar. Agora estou aqui em Aveiro há uns meses a preparar esta exposição dos Pessoas.

Continuamos a visita com grande dignidade e muito interesse de ambas as partes.

Mário Soares chegou mesmo a interessar-se por uma obra, presisamente “O meu outro eu”. Fez uma boa referência a ela criticando-a positivamente pelo arrojo que o artista teve ao criar tal obra, mostrando-se interessado em ficar com ela.

Eu, nessa altura, dei uma cotovelada ao Barrett e disse-lhe: oferece-lha.

Imediatamente o Michael diz-me ao ouvido: ele que a compre que é muito rico!

E lá seguimos adiante, com este aperitivo da exposição, para o almoço que a fábrica ofereceu aos seus convidados onde estavam figuras públicas, camarárias, politicos, governantes, entidades oficiais, religiosas e civis, empregados fabris e muitos convidados.

Após um belíssimo almoço muito bem servido e muito bem regado, o Presidente da fábrica veio ter comigo para lever o pintor ao Dr. Mário Soares pois, este gostaria de conversar um bocado com ele. Lá fui eu, eufórico e nervoso, a correr desencantar o Michael que estava já a digerir o belo almoço com que se banqueteou.

Olha, o Mário Soares quer falar contigo!

O que é que ele quer? Se calhar quer comprar-me o quadro!

Mas, não era nada disso. Simplesmente Mário Soares como uma grande personalidade da cultura portuguesa, queria mais uma vez dar os parabéns ao pintor pela magnífica exposição que tinha visto.

Após alguns minutos de conversa, com Mário Soares sentado e Michael de pé, diz-lhe aquele:

Gostava muito de o convidar a visitar a minha colecção de arte!

Ao que Michael ingenuamente retorquio: Agora não posso estou em Aveiro sabes?

Pode ser um dia qualquer, quando tiveres tempo, diz-lhe Mário Soares.

É pá, olha, tambem não posso porque ando sempre teso e também não sei lá ir a tua casa!

Não faz mal, eu mando o meu motorista buscar-te.

Assim já pode ser. E tu, tens muitos quadros?

Nesta altura, Mário Soares levanta-se e intelegente como é, e vendo que estava diante de uma personagem muito especial, também o tratou por tu e disse-lhe:

Dá-me o teu telefone que depois eu ligo-te.

Mário Soares, rindo-se e bem disposto, deu-lhe o braço  e lá foram os dois pela fábrica fora…de braços dados e a conversarem como dois velhos amigos! …

Michael Barrett foi um dos meus melhores amigos. E foi-o durante muitos anos, precisamnte três décadas. Há irmãos que não se dão tão bem!

Se tivemos zangas? Se nos chateamos muitas vezes? Tantas e tantas que até lhe perdi a conta. Mas, tudo voltava ao normal passado uns tempos. A verdadeira amizade prevalece com o perdão mútuo.  Com o amor fraterno que nasce destas longas e sãs amizades!

Mas Michael não morreu …

Simplesmente arrumou a paleta e os pinceis.

Michael Barrett iniciou a sua longa viagem, a viagem da eternidade …"



publicado por amigosdavenida às 09:30 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 21.03.09

 

Também diria eu que, a Arte não se mede pela quantidade nem pelas medidas, mas sim pela qualidade, sem criatividade não há Arte!

São mais de quatro dezenas de obras de arte expostas a partir de hoje na Galeria Nuno Sacramento arte contemporânea em Aveiro.

Como a inauguração é hoje pelas 22 horas estão todos convidados para esta vernissage.

Normalmente, as inaugurações são encontros culturais porque as pessoas que frequentam estes meios, são interessantes e acaba por ser um encontro de artistas, coleccionadores, jornalistas, críticos de arte e todo um público em geral, onde se interage todas as conversas possíveis e imaginárias.

Um convívio são e sobretudo habitado por gente jovem e menos jovem, porque também os artistas a expor são muito jovens.

Entre eles poderá ver obras de Alexandra Pinho, Bruno Balegas de Sousa, Capote, Carla, Faro Barros, Carlos Lança, Cristina Troufa, Diogo Ramos Moreira, Duarte Vitória, Duma, Elizabeth Leite, Frederico Martins, Gil Maia, Gustavo Fernandes, Isabel Lhano, Isabel Padrão, João Noutel, José Fonte, Manuel D’olivares, Marco Fagundes, Maria, João Franco, Mário Vitória, Moema Quintas, Nuno Raminhos, Paulo Pina, Pedro Figueiredo, Pedro Tavares, Rico Sequeira, Rita Melo, Romeu Bio, Rui Macedo, Sobral Centeno, Sofia Areal e Teresa Bravo.

Com várias dezenas de obras mágicas expostas, onde se pode observar toda uma espécie de temas, dos mais variáveis possíveis, entre fotografia, escultura, pintura, desenho, acrílicos e óleos, onde todos ou quase todos, têm um denominador comum: o formato.

Denominador esse que, são as medidas das obras a expor isto é, todas elas têm as mesmas dimensões, ou seja, todas elas têm 80 X 80 centímetros.

Foi este o desafio lançado pelo jovem galerista Nuno Sacramento aos artistas da sua galeria com quem trabalha há já alguns anos e, a outros convidados para, sem qualquer obrigatoriedade de tema, pudessem participar.

As obras foram surgindo e todas elas encerram muita magia difícil de ver de uma só vez.

Há que ter tempo para aprecia-las.

De várias posições e de várias perspectivas.

De vários ângulos e de vários lados.

quanto mais observamos, mais vamos descobrindo coisas novas, novas mensagens, novas belezas, novos encantos, encerando muitas histórias e segredos, carregadas de personagens e simbolismos, criando efeitos ópticos no espectador e sentimentos que só ele pode ajuizar, gostar ou não gostar.

Estes jovens que agora se expõem, alguns desconhecidos do grande público, também como denominador comum a qualidade e o esmero que colocaram na produção artística, nas imagens que criaram e nos proporcionam, todo um sistema artístico de “arte por arte”.

É hoje fundamental estabelecer certos parâmetros do que é realmente a Arte!

Todos nós sabemos que o conceito que temos de tal palavra está cada vez mais a evoluir para tipologias tão diversas e para concepções tão distintas que, não há dúvida, temos que nos interrogar, mais vezes, onde é que isto vai parar?

Os velhos conceitos que temos já não são os mesmos do século XX. E o que nos trará o século XXI?

Também hoje pelas 22 horas será inaugurada na galeria má arte em Aveiro uma exposição do fotógrafo João Leal com trabalhos extraídos das séries “My own place” e “Endless”.

Baseado nas informações que recebemos desta exposição, transcrevemos o seguinte: “Em “My old place”, partindo do pressuposto que a fotografia pode ser vista como uma “máquina de medir o tempo”, as imagens servem de “leitmotifs” para a realização de buscas “fast forward” e “fast rewind” no “mecanismo” cerebral. No entanto, a medição do tempo baralha-se. As referências dadas são contraditórias. Em Roma a memória do passado impõe-se de uma forma majestática. O cariz cosmopolita da cidade convive harmoniosamente com o que, apesar de já não “existir”, teima em sobreviver. O presente de hoje não resistirá como este presente de há mais de dois milénios, pelo menos não neste estado físico, presencial, palpável. O nosso presente é mais volátil, por vezes parece existir não para ser apreciado mas para ser registado e visto mais tarde. É um involuntário (embora consciente) mecanismo de criação de falsas memórias. As “memórias” deste trabalho são de um tempo que ainda não chegou, sobre um presente de existência duvidosa com imagens de um passado persistente.

Na série “Endless”, e em jeito de homenagem ao filme “Profissão: Repórter”, de Michelangelo Antonioni (1975), tanto o dinamismo estático do fotográfico como a imobilidade activa da imagem sequenciada, enaltecem o perturbador movimento sem termo aparente. Nos sete minutos do plano sequência de Antonioni muito acontece, tanto dentro como fora de plano. O quase imperceptível movimento para a frente transporta quem está a ver para o núcleo de um ciclone que, pela instabilidade que vinha revelando, não augurava um desfecho agradável. Em “Endless”, a linha que percorre a imagem mantém-se perfeitamente nivelada. O suporte da imagem cria uma inesperada ilusão de declive. Ou seja, a instabilidade vem de fora, não está intrínseca como em “Profissão: Repórter”.

João Leal nasceu no Porto em 1977. Licenciou-se em 2005 no curso de Tecnologia da Comunicação Audiovisual do Instituto Politécnico do Porto, com especialização na área de Fotografia.”Para além de ter várias vezes exposto quer individual e colectivamente é também detentor do prémio Pedro Miguel Frade do Centro Português de Fotografia (no ano de 2005).

Também na galeria Kompass – Art Gallery em Aveiro será inaugurada hoje pelas 22 horas uma exposição colectiva com os artistas da galeria.

Com estas três exposições em simultâneo, mais uma vez a Rua do Gravito em Aveiro está em festa e à espera de todo o público que queira partilhar com estes artistas uma noite de cultura e animação.

 

José Sacramento

galeriasacramento@galeriasacramento.com.pt



publicado por amigosdavenida às 00:20 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 27.02.09

 Notícia Público

...

Galeristas estão satisfeitos com as obras, concluídas dez anos depois do projecto inicial, e já pensam na beneficiação do resto 
desta rua do Porto

 

 

A Não é uma grande obra - apenas algumas dezenas de metros de rua. Para quem esperou uma década para ver o projecto ganhar corpo, trata-se, porém, de "uma mais-valia para a cidade e para a qualidade de vida das pessoas". Demorou, mas está feito: uma pequena parte da portuense Rua de Miguel Bombarda, também conhecida como "a rua das galerias de arte", está desde o início da semana entregue aos peões, obedecendo ao desenho traçado há dez anos pelo arquitecto Filipe Oliveira Dias e pelo artista plástico Ângelo de Sousa.
Entregue aos peões? Nem por isso. Ontem, ao início da tarde, já havia turistas desfrutando do sossego que agora impera no troço que vai da Rua da Boa Nova à Rua de Adolfo Casais Monteiro, sentando-se nos novos bancos de granito para repousar as pernas e consultar o mapa da cidade, mas também já lá estavam vários veículos aparcados, ao ponto de a chegada de um carro da Câmara do Porto, com polícias municipais que ali foram fiscalizar uma obra particular, ter entupido completamente a rua, com três viaturas estacionadas a par.
Adiante. Em termos práticos, e para o que interessa, o acesso automóvel da Rua de D. Manuel II à da Boa Nova passou a fazer-se por uma rampa e o novo arranjo curva depois à direita para Miguel Bombarda, embora os automóveis sejam obrigados a seguir em frente. O acesso "para cargas e descargas e acesso a garagens" na rua das galerias passa a efectuar-se pela Rua de Adolfo Casais Monteiro, estando toda a área objecto de intervenção munida de pinos metálicos para dissuadir a paragem de viaturas. Nas duas entradas para a "obra de arte", conforme lhe chama o galerista Fernando Santos, há ainda barreiras retrácteis que permitirão encerrar completamente o acesso ao novo tapete de granito.
A obra permitiu ainda criar uma pequena praça, com uma árvore, no entroncamento de Miguel Bombarda com a Boa Nova, sendo o pavimento decorado com motivos geométricos compostos por quadrados de quatro cores diferentes e rostos em baixo-relevo talhados em blocos de granito. "Acho que ficou bem. No início não achei bem, mas agora gosto. O problema é que estou aqui há quarenta e tal anos e não sei como isto vai ser. As pessoas só vão aonde vai o carro", aprecia Maria Rosa Baldaia, proprietária de uma loja de antiguidades que já ali estava antes de chegarem as galerias, as lojas da moda e toda a fauna fashion e anexa.
Bastante mais optimista está Fernando Santos, o primeiro galerista a instalar-se em Miguel Bombarda e principal dinamizador do projecto de beneficiação da rua. "A obra torna toda esta zona mais apetecível", disse ao PÚBLICO. "A câmara está de parabéns", comentou, acrescentando que falta agora fazer avançar o arranjo ao resto da artéria. 
Apesar da crise, continuam a abrir novas lojas na Rua de Miguel Bombarda e até já se fala num hotel que poderá vir ocupar um terreno devoluto existente no troço agora beneficiado. 



publicado por amigosdavenida às 13:00 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24.02.09

 

São Gonçalo, Armanda Passos

Galeria Sacramento



publicado por amigosdavenida às 00:04 | link do post | comentar | favorito


SOBRE CIDADES, CIDADANIA, O FUTURO E AVEIRO. UM BLOGUE EDITADO POR JOSÉ CARLOS MOTA
GRUPO FB 'PENSAR O FUTURO - AVEIRO 2020'
2013-01-04_2204.png
ADESÃO À MAILING-LIST 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'

GRUPO 'PENSAR O FUTURO DE AVEIRO'
AUTOR
E-mail Gmail
Facebook1
Facebook2
Twitter
Linkedin
Google +
QUORA
JCM Works
Slideshare1
Slideshare2
Academia.Edu
links
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
arquivos

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008